terça-feira, 31 de julho de 2012

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Paciente com várias fraturas é liberado pelo médico

Um motociclista sofreu um acidente, foi atendido no Hospital de Base e logo depois liberado. Dez dias depois, começou a sentir dores, foi a um médico particular e descobriu que tinha várias fraturas e um rompimento no fígado.

Fonte:R7

http://videos.r7.com/paciente-com-varias-fraturas-e-liberado-pelo-medico/idmedia/50112e88fc9bb8d6eb89bb9d.html

Mulher faz lipoaspiração e morre após receber alta em Criciúma, SC

Uma mulher de 36 anos morreu apenas dois dias depois de fazer uma lipoaspiração no Hospital Unimed, em Criciúma, no Sul de Santa Catarina. A família está inconformada e suspeita de negligência do médico. Valdirene dos Santos de Campos, moradora de Forquilhinha, fez a cirurgia na quarta-feira (25). De acordo com a família, no dia seguinte ela recebeu alta, mesmo reclamando de dores e na sexta-feira (27) à noite morreu em casa.
Segundo a família, Valdirene planejava a lipoaspiração há dois anos, fez todos os exames e não tinha problemas de saúde. Também não houve complicações durante o procedimento cirúrgico. A cunhada da vítima, Zoraide Rocha, afirma que a família tentou diversas vezes entrar em contato com o médico depois da alta. Na única vez em que ele atendeu, a orientação foi de que a cinta utilizada para ajudar na recuperação fosse afrouxada. "Não pediu nem para verificar sinal vital ou pressão, que poderia ter sido feito na hora", diz Zoraide. Meia hora depois da ligação, Valdirene faleceu.
O laudo da morte indica hemorragia na região do abdome e a família ainda não sabe se foi uma consequência de um possível erro médico. Os parentes registraram um boletim de ocorrência na Delegacia de Forquilhinha. Só depois de uma necrópsia será possível identificar o real motivo da morte. "Não vamos deixar assim, terminar em nada, terminar arquivado. Nós vamos correr atrás, o que tiver que ser feito, vai ser feito", diz Zoraide.
O médico que fez a cirurgia viajou para a Europa e não foi encontrado. Procurada pelo G1, a direção do hospital ainda não se pronunciou. Valdirene era casada e tinha dois filhos, um de oito anos e outro de 17 anos.


veja a   reportagem na íntegra no link abaixo:

http://glo.bo/Q5MUwQ

Professora sofre lesão ao fazer lavagem no ouvido em Praia Grande, SP

Médico diz que material deixado em paciente deveria corrigir hérnia

O médico acusado por uma paciente de "esquecer" uma gaze dentro do organismo dela durante uma cirurgia em março deste ano, em Ilhéus, sul da Bahia, alega que realizou um procedimento normal na dona de casa Meire Silva. "Essa paciente foi fazer uma cirurgia no ovário e foi detectado que ela tinha, em termos mais leigos, uma hérnia interna. Essa hérnia foi corrigida com uma técnica onde se usa uma tela, que é um material inerte, um material esterilizado para corrigir essa hérnia", diz o cirurgião Lissandro Barbosa sobre o material.
A dona de casa diz que uma ultrassonografia feita antes da cirugia apontava apenas problema no ovário. Ela afirma ainda que, uma semana após a cirurgia, procurou o médico se queixando de alguns sintomas, como forte secreção. “Eu tomei remédios e continuaram os sintomas. Foi quando resolvi procurar outro médico para pedir uma ordem e fazer um ultrassom. Foi aí que detectou que era um corpo estranho, no caso, a gaze que tinha ficado dentro [da barriga]”, disse.
Cinco meses depois, a dona de casa foi submetida a outra cirurgia, com outro profissional, no município baiano de Jequié, onde mora a família dela. O cirurgião que retirou o "corpo estranho", Gustavo Nader, disse ao G1 que não vai se pronunciar sobre qual material encontrou no organismo da paciente. "Não vou falar sobre isso. Apenas digo que resolvi o problema dela", afirmou.
Lissandro Barbosa explica que pode ter havido má adaptação do produto no organismo da paciente. "A gente sabe que todo material colocado no organismo tem risco de rejeição. Essa paciente, após a cirurgia, fez a primeira consulta após sete dias e estava bem, e fez a segunda consulta com 30 dias e estava bem. Depois, ela sumiu do ambulatório. Geralmente, acompanho essas pacientes por três meses, que é o tempo de cicatrização para evitar fazer nova hérnia ou ter problema na cicatriz", declarou o especialista, que alega que avisou à paciente sobre a colocação do material em seu organismo.
Cirurgia (Foto: Reprodução/TV Santa Cruz)Segunda cirurgia deixou cicatriz na barriga de Meire
(Foto: Reprodução/TV Santa Cruz)
A advogada da paciente, Neiva Souza, disse ao G1 que entrou com processo na Justiça por meio da 4ª Vara Cível de Itabuna. "Entramos com ação na Justiça alegando erro médico, pedindo tratamento psicológico porque hoje ela é uma mulher arrasada, e também pedindo indenização", afirma.
O Conselho Regional de Medicina informou que abriu sindicância para apurar o caso. "Ele usou uma tela, que é um produto sintético. Essa é a melhor técnica para cirurgia de hérnia atualmente. Há situações expecionais, que não posso afirmar ser o caso dela, de que surge uma infecção. Mas fora isso, não é preciso retirar essa tela, que parece uma gaze", afirma José Abelardo Garcia, presidente em exercício do Cremeb na Bahia.
A dona de casa afirma que não consegue ter uma vida normal há quase um ano. "Uma cicatriz horrível. O pior, que mais me deixa triste, é que não posso me alimentar direito, nem posso também fazer os trabalhos de casa que fazia antes", afirma.

Veja a reportagem na íntegra no link abaixo:
http://glo.bo/Q7464V

domingo, 29 de julho de 2012

Garoto morre após engolir imã e ser liberado por médica


Alfredo Henrique

Galeria
clique para imprimir Imprimir
Compartilhe Compartilhe
A família de um garoto e 10 anos, que morreu neste sábado, no Hospital Municipal da Criança, informou que pretende processar por negligência a médica que atendeu o menino, no último dia 18, no Hospital do Pimentas. Segundo a tia do garoto, Edinara Pereira da Silva, 26 anos, o garoto teria engolido um imã, do tamanho de um botão de camiseta, no dia 18, e foi encaminhado ao hospital do Pimentas. “A médica que o atendeu (Luíza Hamas) tirou um raio-x, que constatou que o imã estava no intestino de meu sobrinho. Depois ela receitou remédios e o liberou”, informou a tia. Após isso, Guilherme Hyago da Silva Santos foi para casa, onde, segundo a tia, reclamava de dores abdominais. “A médica disse que o organismo iria expelir o imã, o que não aconteceu”, disse a tia. Guilherme foi encaminhado novamente para o Hospital do Pimentas, no sábado, de onde foi transferido para o Hospital Municipal da Criança, onde seria submetido a uma cirurgia. A tia do garoto informou que ele sofreu quatro paradas cardiorrespiratórias, após tomar a primeira injeção de anestesia. Ela ainda informou que o atestado de óbito do garoto informa que ele morreu de infecção generalizada.

Exclusivo: veja a denúncia do oftalmologista que receitava remédios para emagrecer

O consultório fica no interior de São Paulo. O oftalmologista receitava fórmulas de medicamentos altamente perigosos para emagrecer e colocava em risco a saúde de pacientes que nem haviam ao menos passado por uma consulta.

Veja a reportagem na íntegra no link abaixo:

http://r7.com/rsqm

Imagens revelam caos em hospitais Públicos

quarta-feira, 25 de julho de 2012

A VIDA HUMANA NÃO ESTÁ VALENDO NADA!!!

ESTA É A CARTA DA MINHA IRMÃ QUE ESTÁ COMIGO A 4 ANOS.....NO DIA 3 DE MAIO DE 2008 MÃE COMEÇOU A PASSAR MAU EM CASA ,SEU BRAÇO E SUA BOCA ENTORTOU E TRAVOU DURANTE ALGUNS MINUTOS ,O SEU ROSTO ESTAVA PARALIZADO E OS OLHOS DELA ABERTOS E NÃO PISCAVA.CORREMOS PARA O HOSPITAL SANTA MARCELINA ,CHEGAMOS LÁ POR VOLTA DAS 12:20 MINUTOS. A MÉDICA ESTAVA COM A PORTA DA EMERGENCIA FECHADA BATEMOS NA PORTA E A DR. COM ESTUPIDEZ DISSE QUE ERA PARA ESPERAR , ESPERAMOS 10 MINUTOS E DEVIDO MINHA MÃE ESTAR EM ESTADO GRAVE CHAMAMOS A POLICIA, ASSIM QUE ENTREI NA SALA A POLICIA CHEGOU ,MÃE ESTAVA MUITO MAU,,MINHA IRMÃ COMEÇOU A EXPLICAR PARA A MÉDICA TUDO QUE HAVIA ACONTECIDO,ELA FEZ ALGUMAS PERGUNTAS E MINHA IRMÃ DISSE A ELA QUE HAVIA CASO DE AVC NA FAMILIA , A MEDICA PEDIU PARA LEVANTAR MÃE PARA ELA FALAR COM EL ,COM MUITO ESFORÇO MINHA IRMÃ LEVANTOU MINHA MÃE ,E ELA DISSE A MÉDICA DOUTORA ELA NÃO CONSEGUE FALAR ,A LINGUA DELA ESTÁ ENROLADAA MEDICA FICOU INSISTINDO EM FALAR COM MÃE AI MINHA IRMÃ DISSEACHO QUE ELA TEVE UM DERRAME ,DEVIDO O COMPORTAMNTO DELA,A MÉDICA SIMPLISMENTE DISSE QUE MÃE ESTAVA TENDO UMA CRISS DE PSICOSE,SEI QUENÃO SOU MÉDICA MAS PERCEBI QUE MÃE TINHA TIDO UM DERRAME.A MÉDICA OLHOU PRA MIM E DISSE LEVA ELA PARA A SALA DE MEDICAÇÃO QUE DESSE JEITO FICA DIFICIL DE DIAGNOSTICAR ELA . AI EU FALEI A SENHORA NÃO VAI PEDIR NENHUM EXAME,ELA DISSE QUE A MÉDICA ERA ELA ,E QUE MÃE NÃO HAVIA TIDO NENHUM DERRAME,LEVEI MÃE PARA A SALA DE MEDICAÇÃO AONDE MÃE SÓ TOMOU CALMANTE,AS HORAS FORAM SE PASANDO E MINHA MÃE NA MACA,ATÉ QUE EU PERGUNTEI PARA UMA ENFERMEIRA SE NINGUÉM IA VER MÃE ,E A ENFERMEIRA RESPONDEU QUE NÃO SABIA E QUE S´MANDARAM ELA APLICAR OS CALMANTES , ATÉ QUE HOUVE A TROCA DE PLANTÃO A 2 MÉDICA FOI ATÉ A MINHA MÃE OLHOU PARA MÃE ,TENTOU FALAR COM MÃE MAS MÃE NÃO TINHA REAÇÃO NENHUMA FUI ATÉ A SALA DA MÉDICA EXPLICAR TUDO QUE HAVIA ACONTECIDO,PERGUNTEI PARA ELA POR QUE O LADO DIREITO DE MÃE STAVA MOLE SEM FORÇA , ELA NÃO DISSE NADA SIMPLESMENTE FALOU QUE SE MINHA MÃE TIVESSE TIDO UM DERRAME O BRAÇO DELA ESTARIA DURO , A 2 MÉDICA TAMBÉM NÃO FEZ NADA PARA AJUDAR MINHÃ MÃE SIMPLESMENTE SEGUIU O QUE A 1 MÉDICA HAVIA ESCRITO NA FOLHA ,O PIOR É QUE ELA IA DISPENSAR MÃE PARA CASA ,JÁ TINHA FEITO A ALTA E TUDO , FOI QUANDO EU DISSE PARA ELA QUE COMO EU IA LEVAR MÃE NAQUELE ESTADO PARA CASA ,FOI QUANDO ELA PENSOU E RASGOU A ALTA , A DR, DISSE ENTÃO ELA FICA AI ATÉ AMANHÃ QUE A PSIQUIATRA VAI ESTAR AQUI ,NOVAMENTE EU INSISTI EM DIZER QUE MÃE NÃO STAVA COM ATAQUE DE PSICOSE POIS NÃO HAVIA CASOS NA FAMILIA . NO DIA SEGUINTE JÁ ERA DIA 4 DE MAIO O DIA ESTAVA AMANHECENDO ERA MAIS U MENOS 6:30 DA MANHÃ PERCEBI QUE O LADO QUE ENTORTOU DO BRAÇO DA MINHA MÃE ESTAVA COMO SE FOSSE SANGUE PISADO , NA VERDADE ESTAVA ENTRANDO EM NECROSE DESESPERADA FUI ATRAS DE ALGUÉM PARA AJUDAR MINHA MÃE , MAS A PORTA DA EMERGENCIA ESTAVA TRANCADA ,VOLTEI E FIQUEI ESPERANDO ALGUÉM ATÉ QUE AS 8 HORAS DA MANHÃ A PSIQUIATRA CHEGOU ELA OLHOU PARA MÃE E DISSE ISSO NÃO É CASO DE PSIQUIATRIA ,TEM QUE CHAMAR A NEUROLOGISTA COM URGENCIA ,EU DESESPERADA DISSE DOUTORA EU DISSE PARA AS 2 MÉDICAS ,MAS ELAS INSISTIAM NO ERRO , AS 9 HORAS UM MÉDICO ENTROU E FOI TENDER UM RAPAZ QUE HAVIA SOFRIDO UMA QUEDA DEVIDO A BEBIDA , AI EU ME REVOLTEI COM A INSISTENCIA DO MÉDICO QUERENDO QUE ELE FIZESSE UMA TOMOGRAFIA , E MINHA MÃE NÃO HAVIA FEITO AINDA PERGUNTEI SE ELE NÃO IA OLHAR MINHA MÃE,DEPOISIS DE 1 HORA E 26 MINUTOS 2 ENFERMEIROS ENTRARAM NA SALA E EU PERGUNTEI A MINHA MÃE TEVE UM AVC MESMO , ELE ME RESPONDEU EU NÃO SEI DE NADA ESTOU APENAS FAZENDO UM FAVOR QUE O MÉDICO PEDIU ,DEPOIS DE 3 HORAS A NEUROLOGISTA APARECEU E DISSE POR QUE NÃO ME CHAMARAM EU ESTAVA AQUI A NOITE INTEIRA , EU NÃO SABIA MAIS O QUE FAZER EU JURO QUE PENSEI EM ENTRAR NA UTI PARA PEDIR SOCORRO, FINALMENTE O EXAME DE TOMOGRAFIA SAIU E MINHA MÃE TINHA TIDO UM AVC ESQUEMICO E UMA INFECÇÃO NO SANGUE , MINHA MÃE PASSOU MAIS DE 132 HORAS SEM ATENDIMENTO SÓ TOMANDO CALMANTES , SE ELA FOSSE ATENDIDA ADEQUADAMENTE ELA ESTARIA VIVA HOJE ,MAS OS ERROS AINDA PERSISTIAM MINHA MÃE FICOU NA SALA DE EMERGENCIA DO DIA 3 AO DIA 8 DE MAIO SEM EQUIPAMENTO ADEQUADO, ATÉ QUE EU EDIZANGELA FUI VISITA-LA POIS COMO MÃE TINHA 7 FILHOS NÓS REVESAMOS PARA VISTA-LA ATÉ QUE CHEGOU MEU DIA DA VISITA DIA 8 DE MAIO AO ENTRAR NA EMERGENCIA MINHA MÃE ESTAVA DEITADA EM UMA MACA NO CANTO DA PAREDE O CORPO DELA ESTAVA VIRADO A FRENTE PARA A PAREDE ,ELA NÃO STAVA COM OS EQUIPAMENTOS ADEQUADO PARA QUEM TINHA TIDO UM AVC , LA ESTAVA APENAS COM UMA SONDA ALIMNTAR E UM EQUIPO PARA A BOMBA E MEDICAÇÃO , EU ENTREI EM CHOQUE QUANDO ELA RUIVAVA DE DOR ERA UM SOM ASSUSTADOR ERA A UNICA FORMA DELA SE COMUNICAR,ANTES QUE A VISITA ACABASSE EU FUI PROCURAR A MOÇA QUE SE APRESENTOU COMO MÉDICA , MAS NA VERDADE ERA UMA ESTAGIARIA EU PERGUNTEI POR QUE MÃE AINDA ESTAVA LÁ E NÃO HAVIA SISO TRANSFERIDA PARA A UTI ,POIS O ESTADO DELA ERA GRAVA E QUE MÃE PODERIA CONTRAIR UMA INFECÇÃO , FOI QUANDO ELA DISSE QUE MÃE JÁ ESTAVA MUITO INFECTADA , EU DISSE PARA A MÉDICA QUE IRIA PROCURAR A OUVIDORIA DO HOSPITAL E SE NÃO ADIANTASSE EU CHAMARIA A IMPRNSA EU ME LEMBRO COMO SE FOSSE HOJE ELA DISSE , DONA EDIZANGELA A VAGA DA UTI PARA SUA MÃE FOI PEDIDA DESDE O DIA 5 DE MAIO ,MAS NÃO FOI LIBERADA ,EU DISSE VCS ESTÃO DEIXANDO MINHÃ MÃE MORRER POR QUE A DR , EDNA ERROU O DIAGNÓSTICO , A MÉDICA SEGUROU NA MINHA MÃO E DISSE ELES PREFEREM DAR A VAGA PARA ALGUÉM QUE VAI ENTRAR E VOLTAR PARA CASA , ANTES QUE ELA ACABASSE EU DISSE EU SEI QUE MÃE , VAI MORRER ,MAS ELA TEM QUE MORRER COM DIGNIDADE , AI ELA ME DISSE QUE MÃE NÃO ESTAVA EM ESTADO TERMINAL, E A DR, ME PEDIU 72 HORAS ,EU DISSE VCS ACHAM QUE EM 72 HORAS ELA VAI MORRER , NO DIA 9 DE MAIO AS 8 DA MANHÃ VOLTEI AO HOSPITAL E FUI FALAR COM A ASSISTENTE SOCIAL ANGÉLICA RELATEI O QUE HAVIA ACONTECIDO , E PEDI QUE EU FOSSE ENCAMINHADA PARA FALAR COM A OUVIDORA DO HOSPITAL , AI ELA ME DISSE PARA EU FAZER UMA CARTA A PUNHA QUE O HOSPITAL ENTRARIA EM CONTATO COMIGO , EU DISSE SENHORA MINHA MÃE NÃO VAI AGUENTAR ELA ESTA NA EMERGENCIA SEM EQUIPAMENTO ADEQUADO , A ASS, VENDO MEU DESESPERO ME LEVOU ATÉ A EMERGENCIA FALAR E VER MINHA MÃE , MAS ELA DISSE QUE MÃE ,NÃO FALAVA E NEM OUVIA ,AI EU DISSE SE MÃE MORRER ALGUEM IA PAGAR POR ISSO , ELA DISSE QUE ESTAVA FAZENDO O QUE PODIA E QUE A CULPA DE MÃE ESTAR NAQUELA SITUAÇÃO NÃO ERA DELA ,EU FUI PARA CASA E AS 16:HRS A MINHA IRMÃ LIGA QUE MÃE HAVIA SIDO TRANSFERIDA PARA A UTI ,MAS A ESTAGIARIA DR CLAUDIA NÃO AUTORIZOU A VISITA , NO DIA 11 DE MAIO ERA DIA DAS MÃES E EU FUI PARA A VISITA A ENFERMEIRA DISSE SUA MÃE OUVE , APENAS NÃO ESTA FALANDO EU NÃO ACREDITEI PPOIS AS MÉDICAS QUE ATENDERAM ELA NA EMERGENCIA DISSE QUE ELA NÃO FALAVA E NEM OUVIA AO ENTRAR NO QUARTO MINHA MÃE PARECIA OUTRA MULHER ESTAVA COM OS CABELOS FEITO TRANÇAS , LIMPINHA ,NÃO SENTIA DOR , AI A ENFEMEIRA DISSE MARIAZINHA SEGURA MINHA MÃO E ELA SEGUROU , EU COMECEI A CHORAR , A ENFERMEIRA DISSE FALA PARA ELA QUE HOJE É DIA DAS MÃES , U DISSE ,E DISSE TUDO O QUE QUERIA DIZER , E FOI QUANDO EU FALEI MÃE VC VAI VOLTAR LOGO PARA CASA O POVOO TODO ESTA LHE ESPERANDO ELA BALANÇOU A CABEÇA PRO LADO E ESCORREU UMA LAGRIMA DOS OLHOS DELA , EU IMAGINO O QUE MÃE DEVE TER OUVIDO E ELES ACHANDO QUE ELA NÃO OUVIA NO DIA 12 MEU IRMÃO FOI PARA A VISITA E ELES INFORMARAM QUE MÃE HAVIA TIDO UMA PARADA CARDIACA NO DIA 11 APOS A VISITA , NO DIA 13 EU FUI PARA A VISITA E MÃE NÃO ABRIA OS OLHOS AS PAUPEBRAS APENAS TREMIAM , ANTES QUE A VISITA ACABASSE INFELIZ DA CLAUDIA VEIO FALAR COMIGO E EU DISSE A ELA O QUE O DOUTOR DANIEL HAVIA DITO ELA COM TODA ARROGANCIA DISSE QUE A MÉDICA ERA ELA E QUE O DUTOR DANIEL ERA APENAS UM ESTAGIARIO , QUE ELA QUE CUIDAVA DE MINHA MÃE DE SEGUNDA A SEXTA -FEIRA E QUE NAQUELE MOMENTO MINHA MÃE PRECISAVA DE ORAÇÃO E NÃO DE BRIGAS E QUE A MÃE DELA TINHA A IDADE DA MINHA AI EU DISSE MINHA MÃE ESTA NESSE ESTADO DEVIDO A UM ERRO DE DIIAGNOSTICO ,ELA NÃO ME RESPONDEU NADA ABAIXOU A CABEÇA E SAIU , NO DIA 15 ELES DERAM MINHA MÃE COMO MORTA ,EU MORAVA APENAS A 10 MINUTOS DO HSPITAL ELES TINHAM MEU TELEFONE , MAS OPTARAM EM LIGAR PARA A CASA DOS MEUS PAIS QUE FICA A 40 MINUTOS E AINDA DISSERAM PARA LEVAR O DOCUMENTO DELA NA HORA DA VISITA,MAS NÃO DISSERAM QUE ELA HAVIA MORRIDO , ISSO FOI + OU- 10 HORAS DA MANHÃ , AI MEU IRMÃO ME LIGA AVISANDO POIS ERA MEU DIA DE VISITA AI SEM SABER EU CORRI PARA O HOSPITAL QUANDO EU CHEGUEI ELA ESTAVA MORTA NO QUARTO A UNICA COISA QUE ME DISSERAM É QUE ELA ESTAVA SOFRENDO MUITO , EU NA PORTA DA ENTRADA DA UTI VI O CORPO DA MINHA MÃE PASSANDO , SEM CONDIÇOES FIZ AS PAPELADAS DO HOSDPITAL DEPOIS DE 4 HRS MEU IRMÃO CHEGOU MAS NÃO SABIA QUE MÃE TINHA MORRIDO O DURO FOI DIZER PARA AS MINHAS IRMÃS E PAPAI QUE MÃE NÃO VOLTARIA MAIS PARA CASA, FIZ UM B,O ,DENUNCIEI NO CRM , MAS NADA ADIANTOU, ADULTERARAM A FICHA DE ENTRADA DELA , COLOCARAM UM CARIMBO QUE A TOMOGRAFIA HAVIA SIDO FEITO NO DIA 3 QUANDO ELA DEU ENTRADA , MINHA IRMÃ ASSINOU UMA FOLHA EM BRANCO E DEPOIS AO PEGAR O PRONTUARIO ELES ESCREVERAM QUE MINHA IRMÃ RELATAVA QUE MÃE ESTAVA A MESES TENDO CRISES , E ASSIM UMA FAMILIA FOI SE DESTRUINDO , SEM ESPEQUITATIVA ALGUMA , edizangela gomes

segunda-feira, 23 de julho de 2012

ERRO MÉDICO SERÁ JULGADO COMO CRIME!

STJ determina que erro médico seja julgado como homicídio

A decisão pretende diminuir a quantidade de erros no país



O Superior Tribunal de Justiça (STJ) anunciou, na última quinta-feira (28), que erros médicos que levem à morte de pacientes devem ser julgados como homicídio. A determinação vale, inclusive, para casos em que a equipe médica adia o parto e a criança morre.



A decisão do órgão abriu precedentes em todo o Brasil e pretende diminuir o número de erros.



Fonte: R7

Governo quer penalizar unidades do SUS com problemas e saúde privada chega ao limite operacional

País doente – Quando a iniciativa privada passa a oferecer serviços de responsabilidade do Estado, não há como negar que o Estado falho de forma vergonhosa. Assim acontece em vários segmentos importantes, como saúde e segurança, por exemplo.
No quesito saúde a situação beira o inimaginável, em ambas as frentes. Na pública, a saúde é uma obrigação do Estado, mas isso pouco importa se o cidadão tem direito a um serviço de qualidade, como garante a Constituição Federal. Na privada, a saúde é negócio e a ordem é lucrar cada vez e reduzir custos onde for possível.
Com a geração de empregos e o fictício aumento do poder de compra dos brasileiros, ocorreu uma volumosa migração de usuários da saúde pública para a privada. O que de certa forma aliviou a complexa e ineficiente do sistema público de saúde. Com essa enxurrada de pessoas na saúde privada, os planos de saúde chegaram ao limite de atendimento e já não prestam o atendimento prometido. O que explica a decisão da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) de proibir que alguns planos de saúde realizassem novas vendas. Como já noticiado pelo ucho.info, alguns planos de saúde estão operando com prejuízo, pois a procura por médicos e hospitais tem sido maior do que o esperado.
Em São Paulo, os hospitais particulares, em qualquer hora do dia, lembram as unidades públicas de saúde, sempre lotadas e dispensando aos usuários dos planos de saúde atendimentos meteóricos e de qualidade muitas vezes duvidosa.
Na saúde pública, o governo agora quer saber a opinião dos cidadãos sobre a qualidade de atendimento do SUS. E para isso terão de responder a uma pesquisa. O mais interessante, se é que assim pode ser chamado, é que o Ministério da Saúde quer destinar mais verba às unidades do SUS que melhor avaliadas. Quando deveria ser exatamente o contrário.
Resumindo, na saúde pública o governo quer penalizar as unidades que têm problemas no atendimento, enquanto na privada os planos de saúde já não sabem mais o que fazer para entregar aquilo que foi vendido aos incautos.
Quando o ucho.info afirma que ao PT falta doses mínimas de planejamento na condução dos destinos do País, muitos alegam que se trata de utopia de nossa parte. O que é em tese compreensível, pois os palacianos continuam tomados pela soberba. De nada adianta gerar empregos e empurrar os trabalhadores ao consumo, sem que o mercado, como um todo, esteja preparado para absorver esse novo contingente de consumidores. Quando os políticos descobrirem que governar é algo mais sério, possivelmente o Brasil voltará a ser o país do futuro, pois consumismo é sinal de atraso.

Link da matéria:
http://ucho.info/?p=57867

sábado, 21 de julho de 2012

Erro médico grave fica impune e revolta familiares de vítima

Em 2008, o pai de Cláudia, que sofria de diabetes, precisou amputar uma perna, mas a outra foi retirada. Ao descobrir o erro, o cirurgião do Hospital Ernesto Dornelles, de Porto Alegre (RS), amputou também a perna com problemas. Sem os membros, o paciente teve uma infecção generalizada e morreu. O médico foi absolvido do erro, mas a família ainda tem esperança na Justiça e não desiste do caso.


Veja a reportagem na íntegra no link abaixo:


http://videos.r7.com/erro-medico-grave-fica-impune-e-revolta-familiares-de-vitima/idmedia/4ffd587cb61cb5e59bbb7aaf.html

Idosa morre depois de ficar 17 dias internada

Fonte R7 Uma idosa de 67 anos de idade morreu depois de ficar 17 dias à espera de uma cirurgia para corrigir uma fratura no fêmur. Durante esse período, a aposentada Messias Candida de Jesus ficou em uma maca no corredor da emergência superlotada do Hospital Geral de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Segundo o atestado de óbito, ela morreu em decorrência de complicações decorrentes de fratura de fêmur. Mas, para a família, a demora caracteriza negligência do hospital. Elisângela Ferreira, uma das filhas, está revoltada. — Se eles tivessem operado minha mãe, ela estaria agora em casa. Joana Darc Ferreira, outra filha da aposentada, disse que a família quer entrar com uma ação na Justiça contra o hospital. — Uma pessoa que entra com um osso quebrado no hospital, não é para sair dentro de um caixão. A polícia aguarda laudo do IML para definir se há indícios de erro médico ou de omissão de socorro por causa da demora em realizar a cirurgia. Em nota, a assessoria do hospital lamentou a morte da idosa e informou que o caso será analisado pela comissão de óbitos da unidade. Assista ao vídeo:

http://noticias.r7.com/rio-de-janeiro/noticias/idosa-morre-depois-de-ficar-17-dias-internada-a-espera-de-cirurgia-na-baixada-20120719.html

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Mulher morre após tentar vaga em UPAs e hospitais por 13 dias para tratamento

Defensoria da União entra com ação para que Iaserj volte a funcionar

http://globotv.globo.com/rede-globo/rjtv-2a-edicao/t/edicoes/v/defensoria-da-uniao-entra-com-acao-para-que-iaserj-volte-a-funcionar/2047180/

Médicos são indiciados por cobrarem pacientes por partos do SUS

Em Jales, no interior paulista, dois médicos exigiam dinheiro dos pacientes como se fossem cirurgias particulares e ainda se negavam a realizar cesarianas, o que provocou problemas de saúde em muitos recém-nascidos. Os dois também foram indiciados por estelionato, falsidade ideológica e aborto. Veja a reportagem na integra no link abaixo: http://r7.com/Zu9A

Paciente morre após médico negar ambulância, denuncia telefonista

Do G1 Ribeirão e Franca Uma paciente de 29 anos morreu nesta segunda-feira (16) em uma unidade básica de saúde de Ribeirão Preto (SP) depois que o médico responsável pela regulação do Samu recusou uma ambulância para que ela fosse transferida ao hospital. A negativa ocorreu porque o profissional descobriu que a mulher tinha convênio médico e, na avaliação dele, deveria ser socorrida por uma ambulância particular. Eliane Cristina Maciel Martins sofreu uma parada cardíaca provocada por complicações renais após ficar por duas horas na Unidade Básica de Saúde da Prefeitura aguardando transporte até o Hospital São Francisco, com o qual ela tinha convênio. "Ela foi piorando, saiu sangue do nariz. Ela começou a reclamar de dor no peito enquanto estava falando", disse Ana Lúcia Ferreira da Silva, mãe de Eliane. saiba maisReclamações contra planos de saúde em Ribeirão crescem 15% até julho Governo proíbe empresa de Ribeirão Preto de vender planos de saúde Reclamações contra planos de saúde em Ribeirão crescem 15% até julho Secretaria investiga duas mortes por suspeita de H1N1 em Ribeirão Preto Leia mais notícias de Ribeirão e Franca O caso foi denunciado pelo telefonista do setor de regulação do Samu, Gerson Ferreira de Carvalho, que intermediou o diálogo entre o médico responsável pelo serviço e a unidade de saúde municipal onde a vítima recebeu os primeiros socorros. "Ele [o médico regulador] retirou o pedido [de socorro] e orientou a paciente a acionar o São Francisco para o resgate", contou. Acesso universal O secretário de Saúde de Ribeirão Preto, Stênio Miranda, disse que uma sindicância será aberta para apurar o caso, pois, segundo ele, o serviço não pode ser negado, mesmo a quem possui convênio. "Não existe essa delimitação. O sistema público de saúde é um sistema de acesso universal, ou seja, é para todas as pessoas, todos os brasileiros, independente de qualquer condição." São Francisco O Hospital São Francisco comunicou, em nota, que a ambulância do convênio foi acionada logo que recebeu o chamado da unidade de saúde da Prefeitura, mas o atendimento não foi realizado porque a paciente já estava morta. Eliane , de 29 anos, morreu depois de esperar ambulância por 2 horas (Foto: Reprodução EPTV) Indignado Carvalho disse que resolveu denunciar o caso à imprensa porque sabia que havia uma ambulância do Samu disponível para atender a paciente e, mesmo assim, o socorro foi negligenciado. Segundo ele, a ambulância do convênio foi acionada logo em seguida, mas não chegou a tempo. "Eu fiquei indignado porque era uma paciente de 29 anos, não importa se era gravíssimo, se íamos conseguir salvar. Em tese, ela teria mais chance de vida se a UTI tivesse retirado ela do posto onde tem menos recursos e tivesse levado para a UTI do hospital", disse o telefonista. Veja a reportagem na íntegra no link abaixo: http://glo.bo/Nt34PW

segunda-feira, 16 de julho de 2012

HOSPITAL ESTADUAL PEDRO II: SinMed denuncia sequestro de pacientes no Iaserj

HOSPITAL ESTADUAL PEDRO II: SinMed denuncia sequestro de pacientes no Iaserj: Durante toda a madrugada deste domingo (15/7), policiais do BOPE, acompanhados de médicos chefiados pela Dra. Valeria Moll, represent...

Demora por atendimento é rotina na rede particular de saúde de Campinas

A longa espera por atendimento médico, frequente na rede pública de saúde, também afeta usuários de planos de saúde da rede particular de Campinas. A demora passou a ser uma rotina também no serviço de saúde particular e ter convênio médico hoje em dia não significa ser atendido na hora nem da maneira ideal. O mecânico Jaime Pinto Junior, titular de um plano de saúde, esperou por pelo menos quatro horas na Casa de Saúde de Campinas por atendimento para o filho de 9 anos, que estava com suspeita de pneumonia e precisava de uma radiografia do pulmão. A família do operador de produção Carlos Ferreira esperou por seis horas com os filhos no pronto-socorro lotado até que a mulher fosse atendida. Wagner Martins aguarda cirurgia há mais de 50 dias (Foto: Reprodução EPTV) Os planos de saúde ocupam o segundo lugar no ranking de reclamações do Procon em todo o estado de São Paulo, uma das formas que o paciente tem de cobrar pelo serviço. A advogada Andréia Gomes de Oliveira orienta que o usuário deve denunciar o atendimento de médicos e hospitais para os convênios e, além do Procon, deve recorrer à Agência Nacional de Saúde (ANS). A ANS garantiu que todas as denúncias são apuradas e que cobra medidas dos convênios médicos e que, com o número do protocolo da reclamação é possível ao usuário do convênio acompanhar o andamento da denúncia. As denúncias podem ser feita pelo telefone 0800-701-9656. O plano de saúde Unimed informou que as reclamações devem ser encaminhadas para a ouvidoria, pelo site unimedcampinas.com.br A diretoria da Casa de Saúde, onde pacientes reclamam da demora, admite que tem uma procura maior que a capacidade de atendimento do hospital e explicou não ser possível aumentar o número de médicos já que todo o espaço é usado. Cirurgia O instalador de aquecimento a gás Wagner Roberto Martins precisa de uma cirurgia para resolver um problema na coluna que o impede de ficar em pé por muito tempo. No dia 2 de março, ele foi encaminhado pelo médico para uma cirurgia de urgência, segundo a esposa, a psicóloga Leonice Martins. Ela procurou o convênio e achou que, no máximo em 15 dias, a cirurgia seria feita, mas do início de março até 15 de abril, o que era urgente virou uma batalha com o plano de saúde. O plano de saúde Amil dá cobertura total para o procedimento e encaminhou o pedido de cirurgia para um neurocirurgião no dia 6 de março, dizendo que a cirurgia já estava autorizada. No dia 8 de março, Martins passou pela consulta com um neurologista, mas segundo Leonice, acabou não fazendo a cirurgia. A cirurgia foi novamente remarcada para 10 de abril, mas no dia anterior foi cancelada e remarcada para o dia 12, mas pouco antes, foi novamente adiada. Martins, que junto com a mulher paga R$ 550,00 pelo convênio, diz que tem dificuldade para dormir desde que as dores apareceram, há quase dois meses, período em que também está impedido de trabalhar. A assessoria de imprensa da Amil informou que houve falha de comunicação entre o hospital e o convênio. Veja a reportagem na íntegra no link abaixo: http://glo.bo/ISdH9J

Médicos e funcionários fazem vigília no Iaserj, no Centro do Rio

Médicos e funcionários fazem vigília no Iaserj, no Centro do Rio Patrulhas do Batalhão de Choque estão na porta da unidade. Pacientes foram transferidos para outros hospitais durante a madrugada. Alba Valéria MendonçaDo G1 RJ 18 comentários Médicos e funcionários prostestam contra desativação do Iaserj, no Centro do Rio (Foto: Alba Valéria Mendonça/ G1) Médicos e funcionários do Instituto de Assistência dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro (Iaserj), durante manifestação que reuniu dezenas de pessoas no pátio da unidade, afirmam que vão seguir com a vigília que completa 45 dias neste domingo (15). De acordo com a presidente da Associação de Funcionários do Iaerj, Mariléa Ormond, eles continuarão lutando contra a desativação do hospital e a demolição do prédio. Na noite de sábado (14), o prédio foi cercado por policiais do Batalhão de Choque da PM, e os 45 pacientes que estavam internados foram transferidos em 14 ambulâncias para outros hospitais estaduais. A operação, segundo os funcionários, se estendeu das 22h de sábado às 6h deste domingo. Dois camburões do BPChoque permanecem na entrada do hospital, neste domingo. O terreno onde fica o Iaserj foi cedido ao Instituto Nacional do Câncer (Inca) pelo governo do estado em 2008. No local vai ser construído um centro de tratamento e pesquisa do câncer. Batalhão de Choque permanece na frente da Iaserj (Foto: Alba Valéria Mendonça/ G1) Oito pacientes do Instituto de Infectologia São Sebastião, que funciona nas dependência dos Iaserj, são os últimos remanescentes do prédio. São pacientes com doenças altamente infecciosas, como meningite e leptospirose. Um deles está em estado gravíssimo no CTI. Eles deverão ser transferidos para o Hospital dos Servidores, na Praça Mauá, na Zona Portuária, “Essas transferências feitas de madrugada foi um absurdo. Não permitiram a entrada dos médicos ou dos enfermeiros, que não foram autorizados a dar alta aos pacientes e nem acompanhá-los. É uma insanidade. Como podem desativar um hospital quando a saúde pública do Rio vive imersa no caos? Fomos supreendidos por mais essa violência“, disse Mariléa, acrescentando que a manifestação contra o fechamento do hospital já estava programada antes da transferência dos pacientes. Em nota datada do dia 4 de junho, a Secretaria Estadual de Saúde afirmou que nenhum serviço do Iaserj será fechado ou interrompido e que, hoje, "o Iaserj possui serviços de ambulatório, 12 leitos de UTI e 18 leitos de enfermaria". Esses serviços seriam transferidos e ampliados no Hospital Estadual Getúlio Vargas e em outros pontos da cidade. Reinaugurado em 2008 Equipamentos e camas novas comprados em 2008 do Iasejr (Foto: Alba Valéria Mendonça/ G1) Mariléa destaca o desperdício do dinheiro público. Na recepção do Iaserj uma placa mostra que o hospital foi reformado com verba doada pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e reinaugurado pelo governador Sérgio Cabral e pelo secretário estadual de Saúde Sérgio Côrtes, em setembro de 2008. Mesmo ano da cessão do terreno ao Inca. “Em 2009 tentaram fazer a remoção dos pacientes para outros hospitais. Mas um deles morreu e o processo de transferência foi suspenso. Não dá para entender como o governo gasta R$ 10 milhões na reforma e na compra de equipamentos para um prédio que quer demolir”, observa a funcionária. Com a transferência dos pacientes foram deixados para trás, nos nove andares do hospital, aparelhos de raio-x, tomógrafos, monitores cardíacos e até aparelhos de ar-condicionado novos. Macas e camas hospitalares reclináveis e modernas ficaram empilhadas nas UTIs e os colchões, empilhados no corredor. Num dos leitos, o oxigênio não foi desligado e deixaram para trás um recipiente com resíduos de um internado. Técnica de enfermagem recolhe material de UTI do Iaserj (Foto: Alba Valéria Mendonça/ G1) A técnica de enfermagem Sueli Matias, disse que foi surpreendida ao chegar para trabalhar no plantão deste domingo. “Quando cheguei para trabalhar encontrei tudo assim, revirado, com as camas jogadas de qualquer jeito, sem colchão. Estou muito triste. Vou desligar os equipamentos que ficaram ligados e guardar a medicação que ficou espalhada. Não sabemos onde estão os doentes e nem onde vamos trabalhar. Tudo isso é lamentável”, disse Sueli há três anos no Iaserj. De acordo com a Associação de Funcionários do Iaserj, o hospital criado na década de 30 para atender servidores estaduais, atualmente atende à rede credenciada do Sistema Único de Saúde (SUS). A associação diz ainda que a unidade realiza dez mil consultas ambulatoriais por mês em 44 especialidades clínicas e que o laboratório de análises clínicas faz em média 35 mil exames mensais. O Iaserj tem atualmente 1.500 funcionários ativos, que não sabem para onde serão transferidos. “Somos concursados e trabalhamos juntos como se fôssemos uma família. Queremos ao menos que a transferência dos funcionários se dê em bloco para as outras unidades” disse uma enfermeira, que não quis se identificar, lembrando que o Iaserj tem um ambulatório no Maracanã, na Zona Norte, e o Hospital de Gerontologia e Geriatria, que fica em Campo Grande, na Zona Oeste. saiba maisPoliciais cercam hospital do Rio e pacientes são transferidos Governo diz que informou famílias de pacientes do Iaserj sobre mudança tópicos: Rio de Janeiro veja também Prefeito quer adaptar velódromo para Jogos Olímpicos e impedir demolição 15/07/2012 Policial morto em tentativa de assalto na Vila da Penha é enterrado PM chegava para trabalhar quando foi abordado por suspeitos em fuga. Segundo a polícia, quatro homens armados tentavam roubar carro da vítima. 15/07/2012 Justiça Eleitoral do Rio multa Lula e Paes por propaganda antecipada 15/07/2012 Alunos protestam contra demissão de professores de instituto Grupo de estudantes se reuniu em frente ao IBMR, na Praia de Botafogo. Segundo eles, grupo que comprou faculdade demitiu funcionários antigos. 15/07/2012 Links Patrocinados Seja Sócio do Sam's Club Faça Seu Cartão de Sócio e Tenha Ótimos Preços. Saiba Mais! www.SamsClub.com.br/FiqueSocio Link 18 comentários -------------------------------------------------------------------------------- Sérgio FigueiredoPetrópolis, RJ6 horas atrásDenunciar Na época em que o Brasil ainda não era Terra de Ninguém, costumava-se depor e processar os governantes responsáveis por malversação de dinheiro público e improbidade administrativa. Infelizmente, na Terra de Ninguém, os maiores criminosos são os que fazem as leis. Hoje, lesar a pátria é prática que enaltece e valoriza o homem público sagaz. Eles querem que o povo se “exploda”!... Responder CompartilharFacebookTwitter Francisco Oliveira7 horas atrásDenunciar LAMENTAVEL QUE O JUIZ TENHA ASSINADO UMA AUTORIZAÇÃO PARA DESPEJAR PACIENTES EM ESTADO GRAVE DO LEITO DE UM HOSPITAL QUE À POUCO TEMPO FOI REFORMADO E QUE ATENDIA OS PACIENTES E SEUS FAMILIARES COM DIGNIDADE. NÃO FICO SURPRESO COM A ATITUDE DOS GOVERNANTES DO NOSSO ESTADO E MUNICIPIO ,FICO TRISTE E ENVERGONHADO COM A DECISÃO DESTE SERVIDOR PUBLICO QUE É CHAMADO DE JUIZ , SERA QUE ELE FOI AO HOSPITAL OU ELE É DAQUELES QUE VIVEM EM REDOMAS DE VIDRO E ESQUECE QUE SOMOS NOS QUE PAGAMOS À ELE, QUEM SABE UM DIA O JUIZ PASSANDO POR LA E PRECISE DO HOSPITAL E NÃO DEU TEMPO DE CHEGAR NO S.AGUIAR E ? Responder CompartilharFacebookTwitter Médicos e funcionários do Instituto de Assistência dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro (Iaserj), durante manifestação que reuniu dezenas de pessoas no pátio da unidade, afirmam que vão seguir com a vigília que completa 45 dias neste domingo (15). De acordo com a presidente da Associação de Funcionários do Iaerj, Mariléa Ormond, eles continuarão lutando contra a desativação do hospital e a demolição do prédio. Na noite de sábado (14), o prédio foi cercado por policiais do Batalhão de Choque da PM, e os 45 pacientes que estavam internados foram transferidos em 14 ambulâncias para outros hospitais estaduais. A operação, segundo os funcionários, se estendeu das 22h de sábado às 6h deste domingo. Dois camburões do BPChoque permanecem na entrada do hospital, neste domingo. O terreno onde fica o Iaserj foi cedido ao Instituto Nacional do Câncer (Inca) pelo governo do estado em 2008. No local vai ser construído um centro de tratamento e pesquisa do câncer. Batalhão de Choque permanece na frente da Iaserj (Foto: Alba Valéria Mendonça/ G1) Oito pacientes do Instituto de Infectologia São Sebastião, que funciona nas dependência dos Iaserj, são os últimos remanescentes do prédio. São pacientes com doenças altamente infecciosas, como meningite e leptospirose. Um deles está em estado gravíssimo no CTI. Eles deverão ser transferidos para o Hospital dos Servidores, na Praça Mauá, na Zona Portuária, “Essas transferências feitas de madrugada foi um absurdo. Não permitiram a entrada dos médicos ou dos enfermeiros, que não foram autorizados a dar alta aos pacientes e nem acompanhá-los. É uma insanidade. Como podem desativar um hospital quando a saúde pública do Rio vive imersa no caos? Fomos supreendidos por mais essa violência“, disse Mariléa, acrescentando que a manifestação contra o fechamento do hospital já estava programada antes da transferência dos pacientes. Em nota datada do dia 4 de junho, a Secretaria Estadual de Saúde afirmou que nenhum serviço do Iaserj será fechado ou interrompido e que, hoje, "o Iaserj possui serviços de ambulatório, 12 leitos de UTI e 18 leitos de enfermaria". Esses serviços seriam transferidos e ampliados no Hospital Estadual Getúlio Vargas e em outros pontos da cidade. Reinaugurado em 2008 Equipamentos e camas novas comprados em 2008 do Iasejr (Foto: Alba Valéria Mendonça/ G1) Mariléa destaca o desperdício do dinheiro público. Na recepção do Iaserj uma placa mostra que o hospital foi reformado com verba doada pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e reinaugurado pelo governador Sérgio Cabral e pelo secretário estadual de Saúde Sérgio Côrtes, em setembro de 2008. Mesmo ano da cessão do terreno ao Inca. “Em 2009 tentaram fazer a remoção dos pacientes para outros hospitais. Mas um deles morreu e o processo de transferência foi suspenso. Não dá para entender como o governo gasta R$ 10 milhões na reforma e na compra de equipamentos para um prédio que quer demolir”, observa a funcionária. Com a transferência dos pacientes foram deixados para trás, nos nove andares do hospital, aparelhos de raio-x, tomógrafos, monitores cardíacos e até aparelhos de ar-condicionado novos. Macas e camas hospitalares reclináveis e modernas ficaram empilhadas nas UTIs e os colchões, empilhados no corredor. Num dos leitos, o oxigênio não foi desligado e deixaram para trás um recipiente com resíduos de um internado. Técnica de enfermagem recolhe material de UTI do Iaserj (Foto: Alba Valéria Mendonça/ G1) A técnica de enfermagem Sueli Matias, disse que foi surpreendida ao chegar para trabalhar no plantão deste domingo. “Quando cheguei para trabalhar encontrei tudo assim, revirado, com as camas jogadas de qualquer jeito, sem colchão. Estou muito triste. Vou desligar os equipamentos que ficaram ligados e guardar a medicação que ficou espalhada. Não sabemos onde estão os doentes e nem onde vamos trabalhar. Tudo isso é lamentável”, disse Sueli há três anos no Iaserj. De acordo com a Associação de Funcionários do Iaserj, o hospital criado na década de 30 para atender servidores estaduais, atualmente atende à rede credenciada do Sistema Único de Saúde (SUS). A associação diz ainda que a unidade realiza dez mil consultas ambulatoriais por mês em 44 especialidades clínicas e que o laboratório de análises clínicas faz em média 35 mil exames mensais. O Iaserj tem atualmente 1.500 funcionários ativos, que não sabem para onde serão transferidos. “Somos concursados e trabalhamos juntos como se fôssemos uma família. Queremos ao menos que a transferência dos funcionários se dê em bloco para as outras unidades” disse uma enfermeira, que não quis se identificar, lembrando que o Iaserj tem um ambulatório no Maracanã, na Zona Norte, e o Hospital de Gerontologia e Geriatria, que fica em Campo Grande, na Zona Oeste. Veja a reportagem na íntegra no link abaixo: http://glo.bo/MwOqn3

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Inquérito de erro médico no RS será concluído em 15 dias, diz delegado

O delegado responsável pelo caso da idosa de 87 anos que teve a perna errada operada no hospital de Novo Hamburgo, no Vale do Sinos, quer acelarar o processo de investigação para concluir o inquérito na metade do tempo estimado, que seria de 30 dias. Nauro Marques, titular da 1ª Delegacia de Polícia do município, afirmou ao G1 que a primeira testemunha será ouvida na manhã desta quinta-feira (12). "Queremos ouvir o neto da senhora. O depoimento dele estava marcado para hoje (quarta), mas não conseguimos localizá-lo. Amanhã (quinta) ele deve comparecer à delegacia e será o primeiro a ser ouvido". Segundo o delegado, o rapaz foi quem registrou ocorrência contra o hospital. "As pessoas que ele citar nós iremos ouvir também, além da equipe médica do hospital", ressaltou. "É claro que a conclusão do inquérito vai depender da disponibilidade das pessoas, mas pretendo finalizá-lo em 15 dias", disse Marques. Por meio da assessoria de imprensa, o Hospital Municipal de Novo Hamburgo, que realizou a cirurgia incorreta na última sexta-feira (6), informou que não irá punir individualmente o médico responsável pelo procedimento porque uma equipe inteira estava envolvida na operação. A Instituição disse que abriu sindicância para apurar o caso. O Conselho Regional de Medicina (Cremers), por sua vez, afirmou que vai abrir processo administrativo para investigar os fatos. saiba mais'Não sei quando vou poder andar', diz idosa operada na perna errada no RS Idosa de 87 anos é operada na perna errada em Novo Hamburgo, RS O caso A aposentada Maria Nunes da Silva, de 87 anos, estava internada há 12 dias no Hospital Municipal de Novo Hamburgo devido a uma fratura no fêmur da perna esquerda e passou por uma cirurgia para reconstituir o osso com uma placa de platina na sexta-feira (6). A intervenção cirúrgica, no entanto, foi realizada na perna direita da idosa. Ao perceber o erro, a equipe médica tentou contornar a situação e também operou a perna fraturada, no sábado (7). Em nota, a direção do hospital disse que o prontuário da paciente indicava corretamente a lesão no fêmur da perna esquerda e que houve falha humana da equipe. A idosa recebeu alta nesta segunda-feira (9) e se recupera em uma clínica particular para idosos em Novo Hamburgo, já que a casa onde vivem é cheia de escadas e as duas cirurgias em menos de 24 horas a deixaram impossibilitada de caminhar. tópicos: Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul Veja a reportagem na íntegra no link abaixo: http://glo.bo/MiDF7J

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Relato de Mais um Erro Médico

Minha mãe, Marta Ribeiro Nogueira Ferraz (titular do cartão: Mauro de Oliveira Ferraz), faleceu quinta-feira, 09/12/12, no Hospital Salvalus. No dia 08/12/12 (quarta), a mesma foi atendida no pronto socorro da Av. Lucas Nogueira Garcez (em SBCampo) pela Dra. Luciana Correia, que diagnosticou uma virose, e a liberou para retornar para casa. De madrugada, minha mãe sentiu-se muito mal e voltou ao mesmo PS, sendo atendida ainda pela Dra. Luciana, que então passou o plantão para o Dr. Leonardo Eller Dias. A Dra. Luciana já havia solicitado exame de sangue e verificado a presença de uma infecção. Todavia, tanto ela quanto o Dr. Leonardo não iniciaram a antibioticoterapia no momento adequado. Inicialmente acharam ser um cálculo uretral, depois, cálculo ureteral bilateral, já que minha mãe apresentava anúria. Após sondagem, nada de diurese... Mesmo assim, insistiram em administrar soro EV. Onde estaria esse soro já que a paciente estava anúrica? Mas seus médicos não conseguiram pensar nisso. O atestado de óbito anexo traz a causa da morte. Como esses médicos não identificaram a peritonite pelo exame abdominal? Será que houve exame físico? Eles não sabem fazer percussão abdominal? Fui informado no hospital que a Green Line demorou a liberar a realização de um miserável ultrassom. Não poderia esperar nada melhor de vocês! Afinal, o Dr. Leonardo Eller disse para minha mãe a seguinte frase: "VOCÊS PAGAM UM CONVÊNIO DE MERDA E QUEREM EXIGIR DEMAIS". Veja que seu próprio credenciado refere-se a vocês como um "CONVÊNIO DE MERDA". Na realidade, somos todos MERDA. Inclusive, ele, que trabalha para vocês, e eu, que contratei vosso serviço. Mas o desaforo com minha mãe eu acerto pessoalmente com ele depois. Mas não acabou... Dirigi-me à central em Perdizes, ao local de liberação das ambulâncias, e recebi as seguintes informações, gravadas em vídeo pelo celular, dos funcionários Claudinéia, Cléber (ambos do setor de ambulâncias) e Edmilton (da própria central): - solicitação da ambulância pelo médico: 11:52h (informação dada pelo Edmilton) - hora de liberação da vaga: 12:42h (informação dada pelo Edmilton) - hora de liberação da transferência: 13h (informação dada pelo Edmilton) - hora que a garagem das ambulâncias foi avisada: 14:26h (veja como demorou!) (informação dada pela Claudinéia) - hora que a ambulância saiu da garagem: mistério! - hora que minha mãe chegou no Salvalus: 16:45h (rápido, não é???) - hora da cirurgia: 22h (só havia um cirurgião, que estava ocupado) Bom, vamos resumir os fatos... Após verificarmos que não era a virose identificada pela querida Dra. Luciana, minha mãe retornou às 4h da manhã no hospital, e foi operada às 22h. Foram 18 horas de muita dor e sofrimento... O cirurgião (desse não tenho o nome) não nos deu esperança alguma. Na manhã do dia seguinte, fui buscar o corpo da minha mãe, que repousa no cemitério Jardim da Colina. Talvez isso absolutamente lhes represente qualquer importância... Vale lembrá-los que, para se eximir de qualquer culpa, o médico que atestou o óbito, talvez instruído pelo cirurgião, colocou a culpa em um médico que havia feito uma desastrosa exerese de pólipos em minha mãe no dia 26/05/2010. Leiam o relato de próprio punho feito pela minha mãe e encaminhado a essa central, que nada fez. Sendo assim, vamos eleger os suspeitos, todos com uma maior ou menor parcela de culpa: - o Dr. Carlos Alberto M. Barros, que perfurou o intestino da minha mãe; - a Dra. Luciana Correia, que confunde peritonite purulenta com virose; - o Dr. Leonardo Eller, que prescreve soro para pacientes anúricas e que, provavelmente, trabalha mal, já que só tem capacidade de atender para um "CONVÊNIO DE MERDA", como o mesmo disse, além de não ter solicitado ambulância com emergência e não ter encaminhado minha mãe para o centro cirúrgico do hospital São Bernardo, nem ter administrado Rocefin de imediato (prescreveu ciprofloxacino) e um analgésico um pouquinho mais forte do que Buscopan e, finalmente, por ter preferido enviar na primeira ambulância um paciente que apresentava um corte no braço, preferindo assim salvar um braço em detrimento de uma vida; - o pessoal da central da Green Linel, que demorou a avisar a central de ambulâncias; - o pessoal da central de ambulâncias, que demorou a sair da garagem; - o cirurgião do Salvalus, que não possuia habilidade suficiente para solucionar a perfuração; - os médicos da UTI, que foram incompetentes na ressuscitação da minha mãe após a parada cardíaca; - minha mãe, que fez tudo errado, no dia errado e na hora errada. Nada a trará de volta. Mas isso não é brincadeira. Vidas são vidas. Hospital não é lugar de ficar de papinho, brincando, como reparei nos corredores, na farmácia, na UTI, no PS, no centro cirúrgico, enfim, em todos os setores. Quem se dispõe a trabalhar com saúde, com gente, deve ter a certeza de que tem capacidade para tal. Foi uma sequência de tristes erros humanos, de profissionais mal formados, e de administradores medíocres. TODOS IRÃO PAGAR. Todos responderão e aprenderão com o fato. Assumirão a culpa. na minha frente. Vamos aguardar. Minha mãe não tem mais pressa. Sua resposta? Prof. Dr. Renato Ribeiro Nogueira Ferraz UNIFESP / EPM

Idosa é vítima de erro médico no RS

Uma equipe médica operou a perna errada de uma idosa de 87 anos. O incidente ocorreu na última segunda-feira, no Hospital Municipal de Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul. Maria Nunes da Silva estava internada no local em função de uma fratura na perna esquerda. O diagnóstico foi de que o osso deveria ser reconstruído com platina, e a cirurgia foi realizada na última sexta-feira. O problema é que a intervenção foi feita na perna direita. A mesma equipe que realizou a cirurgia notou o erro e uma nova intervenção foi realizada, na perna que estava com o osso fraturado. A nora e o filho da aposentada denunciaram o erro médico. Por meio de nota, a direção do Hospital Municipal de Novo Hamburgo informou que o prontuário da paciente indicava corretamente a lesão do fêmur na perna esquerda e que “tudo indica que houve uma falha humana da equipe”. Ainda de acordo com a direção do hospital, uma sindicância será aberta para apurar detalhadamente possíveis responsabilidades para que sejam tomadas as medidas cabíveis. Foto: Folhapress Fonte: band Postador: Bruno Araújo

terça-feira, 10 de julho de 2012

ANS suspende vendas de 268 planos de saúde de 37 operadoras

A Agência Nacional de Saúde Suplementar suspendeu nesta terça-feira (10) o direito de comercialização de 268 planos de saúde, administrados por 37 operadoras, por descumprimento de prazos estabelecidos pela agência para atendimento médico, realização de exames e internações. O diretor-presidente da (ANS), Mauricio Ceschin, informou que a suspensão vale a partir da sexta-feira (13), para que os planos possam comunicar a decisão da agência a seus departamentos comerciais. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que essas operadoras de saúde, se quiserem continuar vendendo esses produtos, têm que tratar bem os usuários. As 37 operadoras administram mais de mil planos, explicou Padilha. Os 268 que tiveram novas vendas proibidas tiveram reclamações reiteradas. Entre eles, há planos privados e corporativos. A cada três meses a ANS avaliará os planos de saúde, podendo revogar a suspensão, explicou Ceschin. Se em três meses o número de reclamações diminuir, a agência será comunicar que a suspensão foi revogada e pode voltar comercializar o produto. Se continuarem as reclamações, a suspensão é mantida, explicou o diretor da ANS. PRAZOS DE ATENDIMENTO DEFINIDOS PELA ANS Serviço Prazo máximo Pediatria, clínica médica, cirurgia geral, ginecologia e obstetrícia 7 dias Consultas nas demais especialidades médicas 14 dias Consulta com fonoaudiólogo 10 dias Consulta com nutricionista 10 dias Consulta com psicólogo 10 dias Consulta com terapeuta ocupacional 10 dias Consulta com fisioterapeuta 10 dias Consultas e procedimentos realizados em consultórios ou clínicas com cirurgião-dentista 7 dias Diagnóstico em laboratório de análises clínicas em regime ambulatorial 3 dias Demais serviços de diagnóstico em regime ambulatorial 10 dias Procedimentos complexos 21 dias Atendimento em regime de hospital 10 dias Atendimento em regime de internação eletiva 21 dias Urgência e emergência Imediato Consulta de retorno A critério do profissional de saúde Na semana passada, a ANS havia informado que estudava suspender a comercialização de planos de saúde de 40 operadoras. "A suspensão da venda de novos planos é uma atitude pedagógica para essas operadoras e esses planos de saúde, que tiveram seis meses para se adequar às normas, desde sua implantação", disse Padilha. Segundo disse, proibir venda de novos planos permitirá à operadora reorganizar a rede e melhorar seu produto. Multa e consumidores Segundo a Ceschin, os planos de saúde afetados poderão ser multados em R$ 250 mil caso insistam em ter novos beneficiários. Esses planos que tiveram as vendas suspensas reúnem 3,5 milhões de beneficiários que não terão qualquer prejuízo, segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. No país, 50 milhões de pessoas são associadas a algum plano de saúde ou odontológico, disse Padilha. Segundo Padilha, a partir das denúncias de demora no atendimento, criou-se uma resolução específica determinando prazos para todos os tipos de procedimento. “Criamos uma forma de monitorar se isso é cumprido através do número de denúncias. Se em dois monitoramentos (um a cada três meses) houver piora no atendimento, o plano fica impedido de comercializar. Isso é uma proteção ao beneficiário. Se o plano aumentar o número de pessoas associadas não vai conseguir atender bem, uma vez que já está atendendo mal aos seus antigos beneficiários. Ele não pode atender a novas pessoas enquanto não atender no prazo os seus beneficiários tradicionais”, explicou. “Além das denúncias no site, tem a atualização dos beneficiários dos planos de saúde junto à ANS. Os dados são cruzados e podemos identificar se os planos com vendas suspensas têm novos beneficiários”, disse Ceschin. Mais de 100 empresas com reclamações Ao todo, 105 empresas tiveram reclamações pelo segundo trimestre consecutivo. Os casos denunciados pelos usuários à ANS são de desrespeito à Resolução Normativa nº 259. A medida estabelece o tempo máximo permitido entre o pedido de um procedimento, como consultas, exames e cirurgias, e seu atendimento. Os prazos variam de acordo com o tipo de solicitação. Das cerca de mil operadoras de plano de saúde, 162 tiveram reclamações de usuários sobre o descumprimento dos prazos no segundo trimestre de 2012. Os atrasos foram registrados entre os dias 19/03 e 18/06. No primeiro trimestre, a porcentagem foi de 19%. Segundo a ANS, as operadoras de planos de saúde que não cumprem os prazos definidos pela agência estão sujeitas a multas de R$ 80 mil a R$ 100 mil, para situações de urgência e emergência. E, em casos de descumprimentos constantes, podem sofrer medidas administrativas. saiba maisVEJA PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A SUSPENSÃO DE VENDA DOS PLANOS Entram em vigor novos prazos para atendimento nos planos de saúde ANS anuncia nesta terça operadoras que terão planos de saúde suspensos ANS avalia suspender 40 planos de saúde após queixas de usuários ANS fixa em 7,93% índice máximo de reajuste de planos de saúde Por isso, o consumidor deve prestar atenção. Após tentar agendar o atendimento com os profissionais ou estabelecimentos de saúde credenciados e não obter sucesso dentro do prazo máximo previsto, deve entrar em contato com a operadora para uma alternativa. Nesse contato, a pessoa deve anotar o número de protocolo, que servirá como comprovante da solicitação. Se a operadora não oferecer solução, o consumidor deverá, tendo em mãos o número do protocolo, fazer a denúncia à ANS por meio de um dos canais de atendimento: Disque ANS (0800 701 9656), Central de Relacionamento no site da agência ou ainda, presencialmente, em um dos 12 núcleos da ANS nas principais capitais brasileiras. Veja a lista de planos que tiveram suas vendas suspensas pela ANS: - ADMEDICO ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS A EMPRESA LTDA - 384003 413491995 - ADMEDICO I A H ENF 413492993 - ADMEDICO I A H O ENF 413504991 - EMP MENS AMB HOSP APTO 459845098 - I A H COPART ENF - ADMINISTRADORA BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA LTDA - 413305 437399025 - ODONTO AMBULATORIAL - ASL-ASSISTÊNCIA A SAÚDE - 411264 432705005 - MÉDICUS QP(PESSOAL JURÍDICA) 441042034 - SAÚDE QC 12 441044031 - SAÚDE QC 11 441048033 - SAÚDE QC 21 441049031 - SAÚDE QP 21 446614034 - SAÚDE 50 QC12 - ASSISTÊNCIA MÉDICO HOSPITALAR SAO LUCAS S/A - 323811 425347997 - AMBULATORIAL HOSPITALAR OBST.FAM/IND BRONZE 434037000 - AMBULATORIAL + HOSP. OBSTETRICO FAMILIAR/ INDIVIDUAL PRATA 434042006 - AMBULATORIAL + HOSP. OBSTETRICO COL. ADESÃO BRONZE 437046025 - PLANO AMB.HOSP. OBSTÉTRICO BAURU BRONZE C/CO-PARTICIPAÇÃO 452799042 - PLANO CONTRATAÇÃO RELATIVA BRONZE 460341099 - PLANO AMBULATORIAL HOSPITALAR OBSTÉTRICO BRONZE - BENEPLAN PLANO DE SAÚDE LTDA - 370363 411488994 - PLENO GRUPAL PRÉ PAGAMENTO 415706991 - ECONÔMICO GRUPAL – EMPRESARIAL - CASA DE SAÚDE SÃO BERNARDO S/A - 363766 448957048 - CAPIXABA AMIGO EMPRESARIAL ESPECIAL 448958046 - CAPIXABA AMIGO EMPRESARIAL EXECUTIVO 448959044 - CAPIXABA TOTAL EMPRESARIAL EXECUTIVO 450218043 - CAPIXABA AMIGO EXECUTICO C/OBSTETRÍCIA 450219041 - CAPIXABA PARTICIPATIVO ESPECIAL C/OBSTETRÍCIA 450220045 - CAPIXABA PARTICIPATIVO EXECUTIVO C/OBSTETRÍCIA 461241108 - CAPIXABA PARTICIPATIVO EMPRESARIAL ESPECIAL C OBST 461242106 - CAPIXABA PARTICIPATIVO EMPRESARIAL EXECUTIVO C OBST 463127107 - SÃO BERNARDO TOTAL EMPRESARIAL EXECUTIVO 463128105 - SÃO BERNARDO TOTAL EMPRESARIAL ESPECIAL 463130107 - SÃO BERNARDO TOTAL ESPECIAL 463131105 - SÃO BERNARDO TOTAL EXECUTIVO 463132103 - SÃO BERNARDO AMIGO ESPECIAL 464714119 - CAPIXABA TOTAL EMPRESARIAL ESPECIAL - CENTRO CLÍNICO GAÚCHO LTDA - 392804 401612992 - AMBULATORIAL ESPECIAL EMPRESARIAL C/CO-PART 401613991 - AMBULATORIAL ESPECIAL EMPRESARIAL POR ADESÃO CO-PART 401615997 - AMBULATORIAL ESPECIAL PESSOA FÍSICA 401616995 - HOSPITALAR GLOBAL STANDART EMPRESARIAL CO-PART 401617993 - HOSPITALAR GLOBAL STANDART EMPRESARIAL POR ADESÃO CO-PART 401619990 - HOSPITALAR GLOBAL STANDART PESSOA FÍSICA 416591998 - AMBULATORIAL ESPECIAL EMPRESAL POR ADESÃO C/CO-PART 427018995 - HOSPITALAR GLOBAL STANDART PESSOA FÍSICA COM CARÊNCIA 427019993 - HOSPITALAR GLOBAL STANDART SEM ODONTO PESSOA FÍSICA COM CO-P 446956039 - HOSPITALAR GLOBAL STANDART EMPRESARIAL COM CO-PARTICIPAÇÃO - EXCELSIOR MED S/A - 411051 436394019 - EXPRESS ODONTO I 436395017 - EXPRESS ODONTO II 436396015 - EXPRESS ODONTO III 436397013 - EXPRESS ODONTO IV 436400017 - EXTRA ODONTO III 436401015 - EXTRA ODONTO IV 436403011 - EXPRESS DONTO COMPULSÓRIO I 454975069 - EXPRESS AL ENFERMARIA COM PARTO 454976067 - EXPRESS AL ENFERMARIA SEM PARTO 454977065 - EXTRA AL APARTAMENTO COM PARTO 454978063 - EXTRA AL APARTAMENTO SEM PARTO 457569085 - EXTRA PB APARTAMENTO SEM PARTO 457570089 - EXTRA PB APARTAMENTO COM PARTO - FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE - 415405 407881991 - SANTA CASA SAÚDE BH - EMPRESA COMPLETO PRATA 407882999 - SANTA CASA SAÚDE BH - EMPRESA COMPLETO BRONZE 407892996 - SANTA CASA SAÚDE BH - INDIVIDUAL COMPLETO OURO 407893994 - SANTA CASA SAÚDE BH - INDIVIDUAL COMPLETO PRATA 422322995 - SANTA CASA SAÚDE BH-EMPRESA COMPLETO PRATA C/CO-PARTICIPAÇÃO 443728034 - INDIVIDUAL CO-PARTICIPATIVO PRATA 450530041 - PRATA COM CO-PARTICIPAÇÃO 450531040 - OURO COM CO-PARTICIPAÇÃO 456706084 - TOTAL 456708081 - TOTAL CORP 456709089 - IDEAL 456712089 - IDEAL CORP - FUNDAÇÃO WALDEMAR BARNSLEY PESSOA - 319147 412684990 - EMPRESARIAL PLENO STD 412687994 - EMPRESARIAL PLENO EXEC 415633991 - ADESÃO PLENO A 415639991 - INDIVIDUAL PLENO A 436239010 - + SAÚDE STANDARD “D” - GREEN LINE SISTEMA DE SAÚDE S.A - 325074 400307991 - STANDARD GLOBAL 400308990 - SPECIAL GLOBAL 400309998 - EXECUTIVE GLOBAL 400319995 - STANDARD GLOBAL 400320999 - SPECIAL GLOBAL 400431991 - PLANO STANDARD GLOBAL 404510996 - ESPECIAL 432843004 - PLANO REFERÊNCIA STANDARD PME 432844002 - PLANO REFERÊNCIA SPECIAL PME 432845001 - PLANO EXECUTIVE - PME 434527014 - STANDARD GLOBAL - CA 434528012 - SPECIAL GLOBAL - CA 436875014 - SELECT GLOBAL 440839030 - IDEAL 443022031 - IDEAL 200 443024037 - IDEAL EMPRESARIAL APARTAMENTO 444361036 - SPECIAL PREMIUM 444362034 - SPECIAL PREMIUM CA 444364031 - SPECIAL PREMIUM PME 445184038 - IDEAL 300 445187032 - IDEAL MAXI EMPRESARIAL APARTAMENTO 451309046 - ESPECIAL I PME 451310040 - ESPECIAL II PME 451311048 - VIP OURO I PME 459534093 - CLASSIC 459535091 - STYLE 459536090 - PRIME 459537098 - MASTER 459538096 - EXCELLENCE 459544091 - CLASSIC CA 459554098 - CLASSIC CE 459555096 - STYLE CE 460240094 - PRIME CE-PME 460241092 - EXCELLENCE CE PME 460243099 - CLASSIC CE PME 460244097 - STYLE CE PME - GRUPO HOSPITALAR DO RIO DE JANEIRO LTDA - 309222 404299999 - ASSIM CARIOCA PLUS ESP EMPRESARIAL COM OBST 404307993 - ASSIM CARIOCA PLUS STD EMPRESARIAL COM OBST 426232998 - ASSIM MIX PLUS P SSM EMP QC COM OBSTETRÍCIA 441547037 - ASSIM MIX PLUS PSSM EMP QP COM OBST 464909115 - ASSIM SMART - IND QC COM OBST SEM COPART 464913113 - ASSIM UNIQUE - IND QC COM OBST SEM COPART 464917116 - ASSIM SPECIAL - IND QC COM OBST SEM COPART 466140121 - ASSIM CARIOCA 300 CORP QC C/ OBST SEM COPART - HBC SAÚDE S/C LTDA - 414352 439283023 - PRIME RE 461134099 – SAFIRA - MEMORIAL SAÚDE LTDA - 373010 447453038 - PLANO AMBULATORIAL INDIVIDUAL MEMORIAL TOP 447532031 - PLANO AMBULATORIAL COLETIVO EMPRESARIAL MEMORIAL TOP 456570073 - TOP EXPRESS - NOSSA SAÚDE - OPERADORA PLANOS PRIVADOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE LTDA - 372609 404061999 - PLANO BRONZE TITULAR A COM DEPENDENTE 416613992 - CAPITA LIDER100 ENFERMARIA 701841990 - MILENIUM AMBULATORIAL E HOSPITALAR SEM OBSTETRÍCIA - OPERADORA IDEAL SAÚDE LTDA - 412171 435789012 - IDEAL SAÚDE BÁSICO COM CO-PARTICIPAÇÃO 435790016 - IDEAL SAÚDE ESPECIAL COM CO-PARTICIPAÇÃO 447889034 - COLETIVO EMPRESARIAL APARTAMENTO 447890038 - COLETIVO EMPRESARIAL ENFERMARIA 447893032 - EXCELENCE 447894031 - GLOBAL APARTAMENTO 447895039 - GLOBAL ENFERMARIA - PORTO ALEGRE CLÍNICAS S/S LTDA - 346870 408880998 - AMB-A1 408910993 - HEA2 408911991 - HSA2 408941993 - HOD4 - PREVENT SENIOR PRIVATE OPERADORA DE SAÚDE LTDA - 302147 444213030 - PREVENT SENIOR ESMERALDA ENFERMARIA 444214038 - PREVENT SENIOR ESMERALDA APARTAMENTO 445140036 - PREVENT SENIOR TOPÁZIO - REAL SAÚDE LTDA EPP - 381161 413765995 - SAUDE SAMARITANO REFERENCIA STAND SEM CO-PARTICIPACAO 413767991 - GLOBAL EMPRESARIAL ENFERMARIA 413768990 - GLOBAL EMPRESARIAL APARTAMENTO 413770991 - GLOBAL AGRESTE ENFERMARIA 413772998 - ESSENCIAL FAMILIAR APARTAMENTO 413773996 - ESSENCIAL FAMILIAR ENFERMARIA 413780999 - ESSENCIAL ENFERMARIA 464695119 - EXECUTIVO INDIVIDUAL ENFERMARIA - RECIFE MERIDIONAL ASSISTÊNCIA MÉDICA LTDA - 410985 432716001 - SAÚDE PREFERENCIAL 459606094 - MEDIC SAÚDE 459828098 - SAÚDE BRASIL BÁSICO 461985104 - SAÚDE BRASIL GLOBAL APARTAMENTO - SAMP ESPÍRITO SANTO ASSISTÊNCIA MÉDICA LTDA - 342033 406694994 - PLENO 406699995 - AMBULATORIAL I EMPRESARIAL 406702999 - EXECUTIVO EMPRESARIAL 406703997 - PERSONALIZADO EMPRESARIAL 406705993 - BÁSICO EMPRESARIAL 455810073 - ESSENCIAL 463190101 - EXECUTIVO ADESÃO - SÃO FRANCISCO ASSISTÊNCIA MÉDICA LTDA - 403962 414998990 - HGU SAÚDE INDIVIDUAL/FAMILIAR 414999998 - HGU SAÚDE COLETIVO EMPRESARIAL 450776042 - HGU SAÚDE CO PARTICIPAÇÃO 461313109 - COLETIVO POR ADESÃO CO PARTICIPAÇÃO - SÃO FRANCISCO SISTEMAS DE SAÚDE SOCIEDADE EMPRESÁRIA LTDA - 302091 413284990 - SÃO FRANCISCO SAÚDE TOTAL STANDARD 415644997 - SÃO FRANCISCO SAÚDE TOTAL STANDARD 415647991 - ADESÃO PLENO A SV 415650991 - INDIVIDUAL PLENO B 459491096 - PLANO SÃO FRANCISCO SAÚDE INTEGRADO SEM COP. STANDARD IND 459509092 - PLANO SÃO FRANCISCO SAÚDE INTEGRADO COM COP. STANDARD IND - SAÚDE MEDICOL S/A - 309231 457163081 - MASTER 620 A 457425087 - MASTER 520 E 457429080 - PLENO 320 E - SEISA SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE LTDA - 338362 415436993 - PLANO PREMIUM BLUE GR 415437991 - PLANO STANDARD BLUE GSP 416330993 - PLANO STANDARD BLUE GR 434204006 - PREMIUM BLUE GR CA 436385010 - STANDARD BLUE GR-SA 456389071 - SAFIRA 45650107 - STANDARD BLUE GSP CE 1 460155096 - ÔNIX PLUS - CE 460157092 - SAFIRA CE 700613996 - RUBI 700616991 - ÔNIX 700617999 - ÔNIX PLUS 701758998 - PREMIUM BLUE PAHOESP - SMS - ASSISTÊNCIA MÉDICA LTDA - 311405 401544984 - PREMIUM ENFERMARIA REDE PRÓPRIA 401545982 - PREMIUM ENFERMARIA REDE CREDENCIADA 401546981 - PREMIUM ENFERMARIA REDE PRÓPRIA 401547989 - PREMIUM ENFERMARIA REDE CREDENCIADA 401548987 - PREMIUM APARTAMENTO REDE PRÓPRIA 401569980 - EMPRESARIAL PREMIUM APARTAMENTO REDE CREDENCIADA 437026021 - SMS-SPECIAL EMPRESARIAL 462698102 - SM SAÚDE IDEAL PARTICULAR QUARTO COLETIVO SEM OBSTETRICIA - SOCIAL-SOCIEDADE ASSISTENCIAL E CULTURAL - 315630 402743994 - SISSAÚDE ODONTO INDIVIDUAL 459573094 - INDIVIDUAL HOSPITALAR SEMI-PRIVATIVO 459837097 - COLETIVO POR ADESÃO AMBULATORIAL C/ODONTOLOGIA II 459928094 - COLETIVO POR ADESÃO AMBULATORIAL HOSPITALAR COM ODONTOLOGIA - SOSAÚDE ASSISTÊNCIA MÉDICO HOSPITALAR LTDA - 410926 447049034 - STANDART SEM OBSTETRICIA EMPRESARIAL 447050038 - VIP SEM OBSTETRICIA EMPRESARIAL 453350040 - STANDARD ENFERMARIA SEM OBSTETRICIA 453351048 - VIP APARTAMENTO SEM OBSTETRICIA 455748074 - SOSAÚDE FLEX VIP EMPRESARIAL 455749072 - SOSAÚDE FLEX VIP 455751074 - SOSAÚDE FLEX STANDART - UNIMED BRASILIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO – 353574 - UNIMED FEDERAÇÃO INTERFEDERATIVA DAS COOPERATIVAS MÉDICAS DO CENTRO-OESTE E TOCANTINS - 347361 420451994 - MEDCENTRO NACIONAL EMPRESARIAL APT 420454999 - MEDCENTRO NACIONAL ADESÃO ENF 420455997 - MEDCENTRO NACIONAL ADESÃO APT 458850089 - MEDCENTRO ESPECIAL ADESÃO - UNIMED GUARARAPES COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA - 327263 -UNIMED MACEIÓ COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO - 327689 416051997 - UNIVIDA BÁSICO COLETIVO POR ADESÃO 430278008 - PLANO EST.ESP. AMB.+HOSP. REFERENCIADO 430293001 - PLANO EST.BÁS. AMB.+HOSP.+OBST. CO-PARTICIPAÇÃO 430305009 - ESTADUAL BÁSICO PLUS COLETIVO POR ADESÃO - CO PARTICIPAÇÃO 430321001 - ESTADUAL ESPECIAL PLUS COLETIVO POR ADESÃO COPARTICIPAÇÃO 430353009 - ESTADUAL ESPECIAL PLUS COLETIVO POR ADESÃO 704030990 - UNIVIDA ESPECIAL COLETIVO POR ADESÃO Resposta das operadoras A Unimed Maceió informou que, como ainda não recebeu nenhum comunicado oficial sobre a suspensão, prefere não se pronunciar sobre o assunto. A Administração Brasileira de Assistência Médica afirmou que, de acordo com o departamento jurídico da empresa, a ANS “utilizou parâmetros que não são procedentes” e por isso a operadora vai buscar medidas judiciais ou administrativas junto à ANS e ainda pedir revisão da decisão. A ASL- Assistência à Saúde (Amil Nordeste) informou que está verificando junto à ANS as categorias de planos da ASL que foram incluídas na lista, e que todos os compromissos determinados pela Agência serão cumpridos. A Assistência Médico Hospitalar São Lucas diz que todos os processos encaminhados foram respondidos dentro do prazo. Segundo Fábio Moura, diretor geral da operadora, o departamento jurídico da analisa a suspensão e marcará uma reunião com a ANS para resolver a questão. A Beneplan Plano de Saúde Ltda, diz que não concorda com a decisão da ANS e alega erro de apuração por parte da agência. De acordo com Luiz Carlos Mendes Junior, diretor-presidente da Beneplan, todas as notificações recebidas via ANS foram arquivadas após apuração interna por parte do hospital. “Estamos fazendo um ofício d eresposta, pedindo que a ANS se retrate sobre essa condição”. O Centro Trasmontano de São Paulo informou que apura a decisão da ANS e deve se posicionar nesta quarta-feira. A Prevent Senior informou que não recebeu comunicado da ANS e que, “em todas as reclamações sobre consultas e exames, sempre disponibilizamos outro profissional ou serviço quando aquele escolhido pelo beneficiário não tem disponibilidade na agenda”. “Não podemos interferir na agenda dos profissionais e serviços credenciados mas, apenas, oferecer outro na mesma especialidade ou que realize os mesmos serviços”. A Porto Alegre Clínicas afirmou que “entre 1ª de janeiro de 2012 e 18 de junho, nós atendemos cerca de 60 mil consultas e tivemos apenas 12 notificações. A ANS tem um monitoramento assistencial, e a nossa operadora está no status verde, que é a melhor que uma operadora pode ter”. “Após o contato com a ANS, veremos as medidas legais." O São Bernardo Saúde informa que não recebeu notificação oficial da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e, por isso, ainda está tomando conhecimento dos detalhes da decisão. Entretanto, ressalta que se adequará ao que for exigido para ajustar os produtos questionados e manter o atendimento aos seus associados dentro da normalidade e dos prazos previstos pela agência. A São Francisco Saúde informou estar “surpresa” com a decisão, “visto que acompanha sistematicamente a avaliação da operadora através do espaço reservado a esta no site da Agência e até as 12h de hoje (10 de julho de 2012) a avaliação relativa ao desempenho dos últimos dois trimestres apontava baixo índice de notificações e uma melhora significativa no desempenho entre os períodos”. A Fundação Waldemar Barnsley Pessoa informou que contesta a decisão. “No período avaliado, a operadora realizou cerca de 300 mil consultas e 700 mil exames, recebendo 5 notificações no primeiro trimestre e 4 no segundo trimestre. Todas estas notificações já foram solucionadas pela operadora dentro do prazo exigido e arquivadas pela ANS”. A Unimed Guararapes afirmou discordar da maneira como foi conduzida a análise da ANS. Segundo a empresa, “o mecanismo criado pela ANS não permite uma situação fidedigna do atendimento aos beneficiários por ignorar as deficiências existentes na localidade de atuação das Operadoras”. A companhia informou que “estará recorrendo aos meios legais para suspensão da decisão da ANS”. A Unimed Paulistana Sociedade Cooperativa de Trabalho Médico diz que a medida da ANS visa permitir que as operadoras "se organizem e estruturem mais adequadamente" e acompanha as demandas por melhorias do atendimento vindas dos beneficiários. A empresa diz que está investindo na ampliação de sua rede de serviços próprios e aumento do número de nossos médicos cooperados, mas que não recebeu notificação formal da ANS. O G1 procurou, e aguarda posicionamento, das operadoras Assim Saúde, Unimed Brasília, Saúde Medicol, Seisa, Só Saúde, Unimed Maceió Cooperativa de Trabalho Médico, Vida Saudável S/C Ltda, Viva Planos de Saúde Ltda, Social Saúde, Admedico Administração de Serviços Médicos a Empresa Ltda, Operadora Ideal Saúde LTDA (Recife), Nossa Saúde – Operadora Planos Privados de Assistência à Saúde LTDA (Curitiba), Memorial Saúde LTDA (Rio de Janeiro) e Centro Clínico Gaúcho LDTA. A reportagem não conseguiu contato com SMS – Assistência Médica Ltda, Unimed Federação Interfederativa das Cooperativas Médicas do Centro-Oeste e Tocantins, Universal Saúde Assistência Médica SA, São Francisco Assistência Médica LTDA (Petrolina-PE), Samp Espírito Santo Assistência Médica LTDA (Vitória), Recife Meridional Assistência Médica LTDA (Recife), Real Saúde LTDA EPP (São Paulo / Recife), Excelsior Med, Fundação Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte, Greenline e HBC Saúde S/C LTDA (Guarulhos-SP). tópicos: ANS

Vigilância Sanitária vai analisar contraste usado no Hospital de Bonsucesso. Sete pessoas tiveram reações, sendo que uma está na UTI

Flávia Junqueira A Vigilância Sanitária estadual vai acionar uma equipe para apurar os casos de reação anafilática em sete pacientes que receberam o contraste Hexabrix 320 durante o cateterismo no Hospital Federal de Bonsucesso (HFB), num período de dez dias. Na última terça-feira, uma mulher de 61 anos teve uma parada cardiorrespiratória durante o procedimento. Ela, que foi o quarto caso registrado, está internada na Unidade Coronariana do hospital e apresentou melhoras ontem. Apesar de ainda não ter sido notificada pelo HFB, a Vigilância Sanitária informou que vai colher amostras do contraste usado no hospital para análise. A Vigilância Sanitária esclareceu também que não foram registrados outros casos de reações alérgicas ao Hexabrix 320 em outras unidades hospitalares. O Ministério da Saúde não informou se o contraste usado nos pacientes que tiveram reações estava dentro da validade nem se pertencia a um único lote. E, apesar de afirmar ter comunicado as reações adversas ao laboratório Guerbet, fabricante do Hexabrix 320, no último dia 3, quando uma mulher teve parada cardiorrespiratória, a unidade ainda usou o produto em outros três pacientes no dia seguinte. Todos apresentaram reações. Só então, o uso do contraste foi suspenso. O Guerbet afirma que a notificação só foi feita na quarta-feira, dia 4. Segundo o laboratório, “para que a troca de lote de um produto — no caso, Hexabrix 320 — seja avaliada e efetivada, se faz necessário, de acordo com resolução da (...) Anvisa, o cumprimento do processo de notificação junto a essa agência. A elaboração dessa notificação, por sua vez, requer a coleta de dados do ocorrido (...). Até este momento, a empresa não recebeu nenhum documento técnico descrevendo o número de pacientes acometidos e tão pouco a gravidade dos eventos de cada um”. O Ministério da Saúde afirma que suspendeu o uso do Hexabrix em suas unidades no Rio e que os cateterismos estão sendo realizados normalmente. Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/rio/vigilancia-sanitaria-vai-analisar-contraste-usado-no-hospital-de-bonsucesso-sete-pessoas-tiveram-reacoes-sendo-que-uma-esta-na-uti-5433482.html#ixzz20DT13tfw

Médicos que atenderam menino que teve olho colado não aparecem

O Globo Tamanho do textoAAA RIO — Os médicos que atenderam o menino Bruno de Lima Furtado, de 1 ano e 7 meses, não foram depor nesta segunda-feira. Segundo a assessoria da Polícia Civil, os três médicos (oftamologista, pediatra e a cirurgiã) não puderam comparecer à 41ª DP (Tanque) e o depoimento foi remarcado para a próxima quarta- feira. O servidor público Fabiano Mendonça e a meteorologista Gilmara Furtado acusam a médica cirurgião Rachel Pedrosa de ter usado, excessivamente, cola cirúrgica para tratar de um corte no supercílio do olho esquerdo da criança. O produto, segundo o casal, atingiu o globo ocular e provocou o fechamento parcial do supercílio. A médica teria optado por usar a cola para fechar o corte em vez de fazer uma sutura. O bebê cortou o supercílio ao se chocar contra uma mesa, em casa. O incidente teria acontecido porque a médica teria apertado com muita força o bastão de cola cirúrgica. Por causa do problema, a médica decidiu internar o menino.O Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) abriu, na sexta-feira, uma sindicância contra a médica que atendeu Bruno. As matérias que saíram na imprensa serviram como base para justificar a abertura do processo. O caso ocorreu na noite de terça-feira no hospital Rio’s Dor, no Pechincha, em Jacarepaguá. Segundo o pai de Bruno, o olho da criança está começando a descolar. Na semana passada, ele disse que deve acionar a Justiça sobre o caso, mas no momento vai priorizar a saúde do filho. — Vou, no futuro, procurar a Justiça, sim, não por uma compensação financeira, mas para que o hospital possa reparar o dano. As clínicas, hoje em dia, só pensam no lucro e contratam pessoas a baixo custo, com falta de preparo. Queremos que uma ação punitiva para o hospital, mas para que outros bebês não tenham o olho colado — disse Fabiano, que disse ainda que o caso é um exemplo da situação da saúde no país, inclusive na rede particular, que contrata profissionais despreparados. Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/rio/medicos-que-atenderam-menino-que-teve-olho-colado-nao-aparecem-5430896.html#ixzz20DSNs08d

domingo, 8 de julho de 2012

Jovem morreu após ser operada sem ter condições, diz a família da vítima

Médicos acusados de erro serão ouvidos hoje Envie para um amigo Em cirurgia Os três profissionais de saúde acusados de erro médico no caso da paciente Roberta Pires Teixeira de Miranda que, em 2006, morreu em razão de uma cirurgia estética, vão depor hoje, na 2ª Vara Penal, de Belém. O cirurgião Alexandre Calandrini, a anestesiologista Simone Bentes Chaves e o cirurgião assistente Harlen Tavares serão ouvidos a partir das 8h30 da manhã. Roberta tinha 25 anos e, antes desse procedimento, tinha feito uma cirurgia bariátrica. A mãe dela, Inês Pires Teixeira, esteve na redação de O LIBERAL para informar que os três médicos foram condenados pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), no âmbito do processo administrativo, no último dia 13 de junho. O CFM foi procurado, em Brasília, há dois dias, mas não prestou nenhuma informação sobre o caso. "Eu acompanhei a sessão do CFM e, inclusive, tive voz para defender a Roberta", ressaltou Inês Teixeira. Segundo ela, Roberta foi fazer uma cirurgia plástica reparadora, como paciente pós-bariátrica, mas estava com nível de anemia muito elevado, o que contraindicava os cinco procedimentos feitos na paciente: prótese de mama, correção de cicatriz, lipoaspiração dos flancos, lipoaspiração do abdome, lipoaspiração da região pubiana e inclusão de gordura nas nádegas. Nos processos administrativos movidos pela família da vítima junto ao Conselho Regional de Medicina (CRM), o médico Alexandre foi absolvido, a anestesiologia Simone teve o caso arquivado e o cirurgião assistente Harlen foi excluído do processo. A família recorreu ao CFM. "Esse Conselho (CFM), com senso de justiça, condenou o médico Alexandre como culpado da morte da Roberta; a Simone terá o processo reaberto e o caso do cirurgião assistente será analisado pelo CFM", destacou Inês Teixeira, afirmando que a sua intenção de divulgar o resultado em questão é para mostrar que o CFM avalia o erro médico, de uma nova perspectiva. O advogado de Alexandri, Roberto Lauria, defendeu que a causa da morte de Roberta não foi esclarecida porque, na época, a família recusou a realização da autópsia. Ele trabalha com a hipótese da paciente ter falecido em razão de uma embolia pulmonar, que seria comum em casos de pacientes pós-bariátricos, ou de uma transfusão de sangue equivocada. "Ninguém aponta qual foi a conduta equivocada do médico Calandrini ou dos outros médicos que resultou na perda da paciente. Até agora não se comprovou qual foi o erro médico. Ninguém quis esse resultado", disse. O advogado de Simone e Harlen não foi localizado. Fonte:O liberal Belém do Pará

Hospital de São Gonçalo é alvo de investigações após mortes de dez bebês

Praça Zé Garoto sem número. Um endereço onde o sonho da maternidade morre diariamente. No Hospital da Mulher Gonçalense, a dor do parto se enfrenta na solidão, principalmente se ela vier durante a madrugada — “médico também é gente, descansa”, como disse uma enfermeira. A camisola preparada para o grande dia desfila por um banheiro sujo de sangue, com descargas quebradas. A mãe que reclama das fezes no vaso sanitário recebe a ordem: pegue o balde e jogue água. Não interessa se os pontos da cesariana doem na barriga. Aliás, muitas outras coisas não têm importância ali. A primeira da lista é a higiene. É nesse prédio, com letreiro bonito em que se vê uma foto delicada de uma gestante, que morreram dez bebês de junho até agora. As histórias são tristes e, se não provam erro médico, esbanjam negligência, destrato, total descuido. E, por isso, são alvo de investigações. Na maternidade, mesmo depois da lavagem por que passou no dia 30 de junho, dois dias antes da visita do Cremerj, só foi possível esconder as macas que ficavam nos corredores, mas não a falta de boas práticas e de controle de infecção. A urina que vazou do coletor da paciente não precisa ser limpa. Afinal, “já secou”, garante uma profissional de enfermagem. Um acompanhante se assusta e repreende a funcionária. Ela, talvez lembrando-se de que ali tudo deveria parecer limpo, manda, então, que passem pano no chão. — Vi gente entrar com comida na UTI e manipular dinheiro. Meus filhos devem ter pegado a bactéria na UTI — conta o vigilante Leandro Borges, de 29 anos, que assistiu à morte de seus meninos, os gêmeos Raone e Ryan, nos dias 22 e 27. Relatos de falta de álcool a 70% e gaze para trocar curativo são frequentes. — Enfermeiras mandam a família comprar — conta Roberta dos Santos, de 22 anos, que perdeu sua menina Manuela após passar a madrugada do dia 27, desacordada, sem assistência médica. A Prefeitura de São Gonçalo afirma que a maternidade está aberta, mas não informa quantos bebês estão internados com infecção. Em nota, diz que as crianças recebem o atendimento necessário. Vidas perdidas Jorge Miguel Mirela Freitas, de 24 anos, teve seu terceiro filho, Jorge Miguel (foto), no dia 21 de abril. O bebê nasceu no sétimo mês de gestação, com 2kg e 43cm. No dia 9 de junho, foi internado no Hospital Infantil, porque estava encatarrado. Seria bronqueolite. Na enfermaria, teria pegado coqueluche, que evoluiu para pneumonia. A criança morreu na UTI do Hospital da Mulher, no dia 21. “Meu bebê ficou esverdeado, as mãos, pretas. Senti que ele partiria naquela noite. Passei a madrugada na porta”. Raone e Ryan Elizângela Pantoja, de 36 anos, estava a 12 dias de completar sete meses de gestação quando teve um sangramento e muitas dores, no dia 1 de junho. No dia 2, os gêmeos Raone e Ryan nasceram com 1,34kg e 39cm. Estavam na UTI para ganhar peso. “A notícia da infecção veio quando o Raone morreu, no dia 22”, diz a mãe. Ryan morreu cinco dias depois. Médicos dizem que eles estavam com uma bactéria contraída na gestação. A mãe estaria com infecção urinária. Elizângela alega que não fez exame nem recebeu antibióticos. “Como eles poderiam saber se eu tinha infecção?!”. Kauã Dulcinéia Silva da Conceição, de 21 anos, estava com sete meses de gestação quando deu entrada no Hospital da Mulher, no dia 21 de junho, às 5h, com hemorragia. Fez ultrassom e teriam lhe dito que a criança estava bem. No dia 22, às 14h, o bebê não mexia mais, estava morto. Miguel Islana Maria Oliveira, de 23 anos, estava com 39 semanas quando Miguel nasceu, no dia 20. Ela ficou na sala de pré-parto, onde as “paredes estavam sujas de fezes e a grade da cama, de sangue”. A mãe conta que o bebê não pegava o peito e não havia evacuado. Apesar disso, recebeu alta no dia 22. No mesmo dia, ela voltou para o pronto-socorro, porque Miguel estava pálido e desidratado. Lá, ele vomitou fezes. O bebê morreu no dia 24, por obstrução intestinal, no Hospital da Mulher Gonçalense. Manuela Roberta dos Santos, de 22 anos, estava no nono mês de gestação quando sentiu muitas dores e chegou desacordada ao Hospital da Mulher, na madrugada do dia 27. Foi atendida apenas pela manhã. Manuela nasceu morta, com 2,5kg. Iago Michelle Barcelos, de 25 anos, estava no oitavo mês de gestação e foi internada na madrugada do dia 26, perdendo sangue. Iago nasceu às 2h, com 1,92kg e 45cm. O pediatra disse que ele estava bem, mas iria para a incubadora ganhar peso. “Às 2h do dia 27, vieram me chamar para ver meu filho. Ele iria para a UTI. Não quis pegá-lo, porque tinha ido ao banheiro e não havia sabão para lavar as mãos. Às 5h, ele morreu. Se soubesse que era uma despedida, teria pegado ele no colo pelo menos uma vez”, diz a mãe, que contesta a informação de que teria passado uma bactéria para o filho na gestação. Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/rio/hospital-de-sao-goncalo-alvo-de-investigacoes-apos-mortes-de-dez-bebes-5422374.html#ixzz203nIKeFS

quarta-feira, 4 de julho de 2012

MS: Hospital Universitário coleciona casos absurdos

Um dos casos mais graves que tramitam na Justiça é de uma jovem de 18 anos. Ela entrou na sala de cirurgia para retirar uma pedra no rim e perdeu a fala e quase todos os movimentos do corpo Veja a reportagens no link abaixo: http://glo.bo/NVHoZa

Bebê tem olho grudado no atendimento médico em hospital da zona oeste do Rio

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2012/07/crianca-tem-o-olho-colado-durante-atendimento-em-hospital-no-rio.html

terça-feira, 3 de julho de 2012

ANS vai punir operadoras de plano de saúde que não cumprirem prazo

A Agência Nacional de Saúde vai suspender a venda de planos de saúde de empresas que não têm cumprido prazos de atendimento. O número de reclamações aumentou mais de 50% nos últimos três meses. A angústia da produtora rural Maria Marta já dura quase três meses. Desde que descobriu um nódulo na tireoide, ela enfrenta a demora para os exames e a cirurgia. Levou um mês até que o plano autorizasse a operação, que foi finalmente marcada para daqui a duas semanas. “Do dia 5 de junho para cá comecei a ligar o dia todo, e só agora, dia 16, é que eu vou fazer a cirurgia”, revela. “É um negócio dentro da gente. Se é maligno ou benigno, ninguém sabe.” Não deveria ter levado tanto tempo. Em dezembro do ano passado, a Agência Nacional de Saúde estabeleceu prazos máximos para agendar atendimentos médicos. Os exames de laboratório têm que ser marcados em até três dias úteis. As consultas básicas, em até sete dias. Para consulta com especialistas, 14 dias. Cirurgias, no máximo 21 dias. Em três meses, de março a junho deste ano, a ANS recebeu mais de 4,6 mil reclamações contra operadoras de planos de saúde que não cumprem os prazos. Das 1.016 empresas em atividade no país, 162 tiveram pelo menos uma queixa. As operadoras que com frequência descumpriram os prazos vão ser obrigadas a suspender a venda dos planos de saúde. Quarenta empresas estão na mira da ANS. A lista com os nomes de todas elas será divulgada até semana que vem. “Enquanto ela não adequar sua rede e o número de reclamações não baixar, ela não pode ter a reativação da venda do seu produto que tem o problema”, explica o presidente da ANS, Maurício Ceschim. Segundo o presidente da ANS, o cliente que já faz parte do plano de saúde não vai ser afetado. Depois de quase 40 anos pagando uma assistência médica, dona Maria Marta esperava um atendimento melhor. “A gente nunca deixou de pagar, e quando precisa tem que esperar. Agora, se você deixar de pagar eles tiram seu plano de saúde rapidinho”, afirma. A Federação Nacional de Saúde suplementar, que representa as 15 maiores operadoras, declarou que as empresas têm feito um grande esforço de investimento na ampliação da capacidade de atendimento. Veja a reportagem na íntegra no link abaixo:Fonte g1 http://glo.bo/O2aoyk

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Cremerj vistoria hospital de São Gonçalo onde nove bebês morreram em junho

Rio - O Hospital da Mulher Gonçalense, em São Gonçalo, na Região Metropolitana, foi vistoriado pelo Conselho Regional de Medicina do Rio (Cremerj) na manhã desta segunda-feira. Nove bebês morreram na unidade apenas no mês de junho. O objetivo da ação é verificar se há alguma irregularidades que possam ter relação com as mortes. Um laudo deve ficar pronto em uma semana. Ele será encaminhado ao Ministério Público e Vigilância Sanitária. Durante a visita, conselheiros do Cremerj constataram que no mês passado o hospital estava superlotado. "Havia uma superlotação na materninadade, e não no berçário. Entretanto, a maternidade estaria trabalhando com uma sobrecarga muito grande", disse o conselheiro Luiz Fernando Soares Moraes, ao RJTV. Familiares vivem drama A Prefeitura de São Gonçalo, através da Secretaria de Saúde do município, confirmou que chegou a nove o número de bebês mortos no Hospital da Mulher. De acordo com a Prefeitura, o menino Jorge Miguel ficou internado por 10 dias no berçário após nascer, tratando uma sífilis congênita, teve alta e foi pra casa. No início do mês, o bebê retornou ao Hospital Infantil com uma pneumonia aguda, que se agravou, sendo levado para a UTI Neonatal do Hospital da Mulher. Jorge Miguel tinha baixo peso e morreu às 23h desta quinta-feira por uma bronquiolite, estado agravado da doença. "A Secretaria Municipal de Saúde já está tomando as medidas necessárias e por precaução já reforçou os protocolos de infecção na maternidade", diz a nota. Jorge Miguel foi sepultado às 16h da última sexta-feira, no Cemitério de São Gonçalo. Saúde vira caso de polícia Desde o início de junho, nove recém-nascidos morreram no Hospital da Mulher. Indignados, os pais das vítimas relacionam os casos a um surto de bactéria hospitalar generalizada. Na última quinta-feira, o corpo da oitava vítima, Ryan Oliveira Rangel, de 25 dias, foi enterrado no Cemitério São Gonçalo. Avó dos gêmeos mortos, Sônia ouviu quando médico disse a Leandro e Elizangela que os filhos deles estavam bem | Foto: Alexandre Brum / Agência O Dia Seu irmão gêmeo, Raone, já havia sido sepultado dia 22. Do lado de fora da unidade, ratos mortos estavam espalhados no chão. Parentes dos gêmeos, que já acionaram a Justiça e irão registraram ocorrência na 72ª DP (Mutuá), afirmam que, apesar de prematuras, as crianças nasceram saudáveis. “Estava do lado da minha nora quando o médico informou que eles estavam fortes e com saúde. Disseram que precisariam ficar internados só por terem nascido com quase sete meses” disse a avó Sônia Borges, 48 anos. O pai das crianças, Leandro Borges Rangel da Silva, 29, discorda da justificativa da unidade, que informou que a bactéria foi passada pela mãe. “Na UTI onde eles ficaram 20 e 25 dias, não tinha higiene. Vi motoboys no local e médicas sem roupa adequada. Qualquer um encostava nas crianças”. A mãe de Ryan e Raone, a manicure Elizangela Oliveira Pantoja, 36, está desolada: “Esperava sair ao menos com um vivo. É muita dor”. Segundo funcionários, que não quiseram se identificar, o Hospital das Mulher tem déficit de obstetras, anestesistas, remédios e soros. Além disso, haveria debandada de profissionais devido a baixos salários. Em nota, a Prefeitura de São Gonçalo confirmou as mortes e afirmou, através da direção do Hospital da Mulher, que não há surto de infecção hospitalar na unidade: “As oito crianças (...) nasceram de forma prematura e com algum tipo de comprometimento: má formação pulmonar, obstrução intestinal, má formação óssea ou infecção”.