segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

estaremos no programa do Barjon dia 8/02/2011

Veja o programa do Brajon na tv orkut no dia 08/02/2011 as 20 Hs.

Tema: Erro médico.

"Foi apenas um pedaço de dedo"!!!!Somente?

A Secretaria de Estado da Saúde decidiu encaminhar a menina de um ano, para uma consulta no Centro de Microcirurgia Reconstrutiva e Cirurgia de Mão do Hospital das Clínicas da FMUSP.




O objetivo é ter um acompanhamento especializado para verificar a possibilidade de reimplante. Uma sindicância será aberta nesta segunda-feira, dia 31, para apurar o caso.



O fato aconteceu na neste domingo, dia 30, quando a profissional retirava a bandagem colocada para imobilizar a mão da menina, de um ano de idade, enquanto ela recebia uma medicação intravenosa.



A auxiliar de enfermagem foi afastada por tempo indeterminado e terá direito a defesa, mas pode ser exonerada caso seja constatada falta grave.



O caso será informado ao Coren (Conselho Regional de Enfermagem), que deve definir as sanções profissionais cabíveis.





Redação: Márcia Garbin

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Mais vidas sendo ceifadas

Médicos recusam atendimento e mulher morre em hospital no Rio


Uma paciente morreu em um hospital público no Rio de Janeiro porque os médicos se recusaram a prestar atendimento. A denúncia é de uma enfermeira que testemunhou a omissão de socorro.



http://videos.band.com.br/v_85384_medicos_recusam_atendimento_e_mulher_morre_em_hospital_no_rio.htm

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Meu Momento com Você apóia o Projeto de Lei do Movimento Gabriela Sou da Paz

VÍDEOS DO PROGRAMA EXIBIDO EM 11/01/2011

programa Meu Momento com Você lança o apêlo para que todos se mobilizem para pressionar o Senado Federal para pressionar a votação do Projeto de Lei do Movimento Gabriela Sou da Paz, que muda e melhora o Código Penal. 

Vamos todos pressionar o Senado Federal. Informações no vídeo III.

Com a participação do Carlos Santiago, pai da Gabriela, ao vivo por telefone com o Barjon...veja nos vídeos I e II

E também uma pequena homenagem à querida Cleyde Prado Maia Ribeiro, mãe da menina Gabriela, vítima de uma bala perdida no Metro do RJ em março de 2003.






Assista : MEU MOMENTO COM VOCÊ  www.orkutv.com.br     

3ª feiras das 20:00 às 21:00h AO VIVO!!!  

Jornalismo verdade que mostra a realidade como ela é!  A voz da verdade, que fala por você!  

meumomentocomvoce@gmail.com  FAÇA SUA DENÚNCIA!   

TWEETER: tweeter.com/barjondemello     


YOUTUBE: Barjon1000

sábado, 15 de janeiro de 2011

Documentário balas perdidas

Projeto de lei a favor de avaliação dos profissionais de saúde ( na íntegra)

PROJETO DE LEI Nº 6.867, DE 2010


(Do Sr. Paes de Lira)

Prevê a exigência de aprovação em

exame de avaliação de conhecimento para

o exercício de profissões ligadas à saúde.

Despacho: Apense-se ao PL nº

650/2007.

Apreciação: Proposição sujeita à apreciação

conclusiva pelas Comissões – Art. 24 II.

Art. 1. Esta lei estabelece critérios específicos

para o exercício profissional nas áreas de saúde.

Art. 2. Os bacharéis nos cursos de ensino superior

de áreas atinentes à saúde deverão obter aprovação

em exame de avaliação de conhecimento, como pré requisito

para o exercício da profissão.

§1º O exame a que se refere o Caput será realizado

em duas fases e regulamentado pelo Conselho

Federal da respectiva área de atuação.

§2º Compete ao Conselho Seccional aplicar o

exame de avaliação de conhecimento.

Art. 3. Esta lei entrará em vigor na data de sua

publicação.

Justificação

A área da saúde é umbilicalmente ligada à vida

das pessoas, esses profissionais em muitos momentos

fazem a diferença entre a vida e a morte de cidadãos.

Ao contrário do que ocorre na carreira da advocacia,

que tem como conditio sine qua non ao seu exercício

a aprovação em exame de ordem, outras áreas

que assim deveriam fazer, não o fazem. E o resultado

da falta de tal exame é vergonhoso.

Peguemos a exemplo, os resultados do facultativo

exame que ocorre para os formados em medicina

no Estado de São Paulo.

Segundo “release” do próprio CREMESP (Conselho

Regional de Medicina do Estado de São Paulo),

o alto índice de reprovação no exame de 2009 (56%)

confirma a precariedade do ensino médico no Estado.

É alarmante constatar que, pelo terceiro ano consecutivo,

a maioria dos participantes foi reprovada na

primeira etapa do Exame

Em 2009, dos 621 participantes da primeira fase

(dentre 811 inscritos), que cursaram escolas médicas

de São Paulo, apenas 276 (44%) foram aprovados

para a segunda fase.

Em 2008, dos 679 participantes da primeira fase

(dentre 934 inscritos), que cursaram escolas médicas

de São Paulo, 262 participantes (39%) foram aprovados

para a segunda fase, ou seja, um alarmante índicie de

61 % de reprovados.

A primeira fase do Exame do Cremesp consiste

em 120 questões distribuídas em nove áreas básicas

de conteúdo. A nota considerada de corte é 6,0, ou

seja, para passar à segunda etapa, quando é aplicada

a prova prática, é preciso acertar o mínimo de 60% (ou

72 questões) da prova objetiva da primeira fase.

O pior desempenho foi em Clínica Médica, área

essencial da Medicina.

O desempenho dos participantes também foi medido

conforme áreas do conhecimento médico.

Abaixo de 60% de acertos o resultado por área

de conhecimento é considerado insatisfatório.

O Exame do Cremesp de 2009 demonstrou,

mais uma vez, que há deficiências na formação dos

estudantes em campos essenciais do conhecimento

médico, nos quais há grande demanda de atendimento

por parte da população.

O baixo índice de acertos em Clínica Médica

(48,45% de acertos),foi pior desempenho nessa área

desde que o exame teve início, em 2005.

É preocupante também o fraco desempenho dos

participantes em áreas como Saúde Mental (51,20%

de acertos), Clínica Cirúrgica (53,69% de acertos) e

Pediatria (57,04% de acertos).

Em 2009 o desempenho satisfatório (acima de

60%) ocorreu apenas nas áreas de Saúde Pública,

Ginecologia, Obstetrícia e Bioética.

Participantes erram questões sobre situações comuns

na prática médica. Questões que tiveram baixo

índice de acertos podem revelar a falta de conhecimento

dos participantes na solução de problemas frequentes

no cotidiano da prática médica. Muitos daqueles que

participaram do Exame do Cremesp de 2009 desconhecem

o diagnóstico ou o tratamento adequado para

a solução de problemas de saúde bastante comuns.

E por fim, segundo palavras do coordenador do

exame no CREMESP, Dr. Bráulio Luna, “AS FACULDADES

ESTÃO FORMANDO MÉDICOS QUE NÃO

SABEM O BÁSICO”.

Nos ajude a divulgar esse projeto . Ligando para o disque câmara 0800 619-619 PL 6867/2010 a ligação é gratuíta e com sua ligação podemos fazer pressão para que esse projeto de lei entre em pauta de votação.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

JN no Ar mostra situa231;227;o cr237;tica dos hospitais de Rond244;nia



Edição do dia 11/01/2011


11/01/2011 21h32 - Atualizado em 11/01/2011 22h31


      JN no Ar mostra situação precária de hospitais públicos em Rondônia
O principal hospital do estado tem 150 leitos, todos lotados. Para agravar ainda mais a situação, pacientes chegam também do sul do Amazonas, do Acre e até da Bolívia.
    A equipe do JN no Ar foi a Porto Velho, Rondônia, para mostrar a situação crítica dos hospitais do estado, que levou o governador a decretar calamidade na saúde.
    A situação dos hospitais visitados pela equipe do JN no Ar é grave e foram registradas cenas dramáticas. As pessoas estão realmente sofrendo, sem que tenha acontecido nenhum problema grave que justifique um amontoado de pacientes nos dois principais hospitais do estado à espera de atendimento.Ao todo são sete profissionais e 400 quilos de equipamentos. O avião do JN no Ar decolou do Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim na última segunda-feira (10), às 21h15. O avião atravessou 2,7 mil quilômetros, voou três horas e meia até Porto Velho para acompanhar a crise da saúde em Rondônia.A reportagem começa em Porto Velho no único hospital público do estado com uma emergência preparada para atender a casos mais graves como vítimas de acidentes de trânsito, pessoas com ferimentos à bala ou faca. É o Hospital Estadual João Paulo II. Às 7h, a equipe entrou para ver como está a situação.
   Logo na entrada, um susto: a sala que deveria ser a sala de espera do hospital, um lugar em que as pessoas esperam sentadas para serem atendidas pelo médico está lotada. Todas as pessoas que estão no local estão internadas, inclusive, as que estão sentadas: um rapaz está sentado tomando soro, esperando uma vaga no quarto para ser internado.Ao lado, uma situação ainda pior: um senhor deitado no chão esperando uma vaga no quarto, tomando o soro, que está pendurado na parede. Seu Arthur, de 65 anos, está sobre um lençol. Não consegue nem falar de tanta dor no peito e no abdômen.“Estou esperando ele ter uma melhora para levar ele para Minas”, conta a mulher de Artur, Cícera José dos Santos.
    O servente de pedreiro Francisco está oficialmente internado há 24 horas na cadeira. Parece cenário de guerra. O Hospital João Paulo II tem 150 leitos, todos lotados. Os pacientes não param de chegar e vão ocupando macas e colchões de ar espalhados pelos corredores.Raniete, de 28 anos, tinha acabado de sofrer um acidente de trânsito grave. "Não tem vaga. Não tem onde atender. O atendimento vai ser no chão, sempre é no chão", lamenta o enfermeiro Romes Mamede.
    O hospital recebe, em média, 200 pacientes por dia. A maioria vem de cidades do interior do estado. Mas eles chegam também do sul do Amazonas, do Acre e até da Bolívia.Seu Joaquim não conseguiu atendimento na cidade dele. Viajou 300 quilômetros para tratar um câncer na próstata. Agora está no chão, em frente à porta da UTI, sem esperança.O neurocirurgião diz que há três dias tenta levar um paciente para fazer o exame em uma clínica conveniada. O doente está entre a vida e a morte. "A situação é que nós temos pacientes graves. Na minha especialidade, minutos representam uma vida”, conta o neurocirurgião Marcos Madeira.“Claro que eu me sinto humilhado. Sou trabalhador, sou um cidadão brasileiro”, reclama um paciente enquanto aguarda o atendimento.Porto Velho tem outros hospital de grande porte e está lotado. No Hospital de Base, quase mil pessoas estão na fila de espera para operar. E das nove salas de cirurgia, cinco estão fechadas.
   Um homem, acorrentado à cama é um preso, que, segundo a direção do hospital, espera uma cirurgia há dez meses. Ele está com as duas pernas quebradas.Dona Isolina, de 100 anos, espera há um mês. "Não sei como eu faço mais, estou desesperada", lamenta a filha de Dona Isolina, Esmerinda da Graça de Jesus.
    No Hospital João Paulo II, das três salas de cirurgia, uma está fechada. No local, há mais de 300 pacientes na fila.A UTI é considerada pelos médicos como a mais tranquila do hospital. Por incrível que pareça, a UTI é a única parte do pronto-socorro que está funcionando de maneira adequada. São 14 leitos, todos ocupados. O problema é conseguir vaga no lugar.
   O governador recém-empossado, Confúcio Moura (PMDB) é médico e já foi secretário de Saúde de Rondônia. Ele decidiu decretar estado de calamidade na saúde. "Uns dão prioridade à educação, outros ao transporte, outros à questão ambiental, mas em Rondônia, a saúde não foi prioridade em quase nenhum governo", afirmou.O governador pediu ajuda ao Governo Federal. Quer um hospital de campanha com médicos e enfermeiros para fazer um mutirão de cirurgias. Enquanto a situação não melhora, os profissionais fazem o que podem. "A cada dia que viemos aqui trabalhar, morremos a cada dia um pouco, porque estamos vendo a situação e não podemos fazer nada”, diz uma enfermeira.
  Pelo menos seis representantes do Ministério da Saúde, da Defesa e da Integração Nacional são esperadas em Porto Velho para verificar toda a situação mostrada pelo JN no Ar. O governador disse que vai investir em caráter emergencial para a contratação de médicos, enfermeiros e, também, para a compra de equipamentos e medicamentos para a saúde pública em Rondônia.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Justiça para Joanna

Justiça para Joanna


Pela 3ª vez, defesa pede revogação de prisão de pai da menina Joanna.

Juiz analisa terceiro pedido de liberdade; outros dois já foram negados.

Justiça marcou nova audiência para ouvir outras testemunhas do caso.







http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2011/01/pela-3-vez-defesa-pede-revogacao-de-prisao-de-pai-da-menina-joanna.html

Basta com a impunidade

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Medicina em risco

Seg, 03 de Janeiro de 2011 15:50

Escrito por Desiré Carlos Callegari, 1º secretário do Conselho Federal de Medicina







Desde 2005, o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) avalia o desempenho dos estudantes do sexto ano de Medicina das escolas médicas paulistas. Em 2010, 43% foram reprovados na primeira fase e 68% não passaram na segunda etapa, uma prova prática que simula situações de atendimento médico.



Mesmo considerando as limitações de um Exame, que é facultativo, a alta reprovação pode ser um indicador de falhas graves no ensino de graduação em Medicina e na formação de novos médicos em São Paulo que já concentra 30 escolas médicas que formam 2.300 jovens médicos por ano.



Em 2010 chamou a atenção o baixo índice de acertos em especialidades que concentram a solução de muitos problemas de saúde da população. Muitos jovens médicos desconhecem o diagnóstico ou o tratamento adequado de problemas de saúde comuns e de doenças como sífilis, hanseníase e tuberculose. Outros tiveram dificuldade na leitura de exames como angiografia, raio X e eletrocardiograma.



O Exame do Cremesp , uma proposta inovadora de avaliação externa do ensino médico, dá um recado que precisa ser levado em conta. O ensino médico vai de mal a pior e os atuais mecanismos de avaliação in loco realizado pelas próprias faculdades durante o processo de graduação e o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade/MEC), são insuficientes para provocar as mudanças necessárias.



À qualidade duvidosa de boa parte das escolas médicas brasileiras soma-se outro problema: brasileiros e estrangeiros formam-se em cursos do exterior - em Cuba, Bolívia, Paraguai, dentre outros países - que não garantem o mínimo de conhecimentos, habilidades e competências requeridos para o exercício da medicina .



Em 2010 acompanhamos o inédito processo unificado de revalidação de diplomas estrangeiros, uma ação conjunta dos Ministérios da Saúde e Educação, que conta com o apoio do Conselho Federal de Medicina, que sempre defendeu maior isonomia, transparência e padronização no processo de revalidação de diplomas de médico obtidos no exterior



Mesmo cientes da péssima formação oferecida por essas escolas, ficamos surpresos que apenas dois candidatos, dentre mais de 500 inscritos, conseguiram a revalidação após a análise de equivalência curricular, e provas objetiva, discursiva e prática.



Sem diploma válido, emitido por cursos que não se exigem vestibular e cobram mensalidades mais baratas que as escola privadas brasileiras, centenas de recém-formados entram na ilegalidade e muitos chegam a atuar no Brasil, nas regiões de fronteira e periféricas, colocando em risco a saúde da população assistida.



Por isso, ao mesmo tempo em que defendemos uma reforma do ensino médico no Brasil, somos contrários à aceitação automática de diploma estrangeiros e defendemos a manutenção de rigoroso processo de revalidação, além do incremento na fiscalização do exercício ilegal da Medicina em defesa da qualidade à assistência da nossa população.